Está mais calor mas prepare-se para o vento na praia

Subida da temperatura máxima, sobretudo no interior do país. Vento moderado a forte no litoral e terras altas. Em Castelo Branco e Évora a máxima prevista é de 32º, o valor mais alto no continente.

As temperaturas máximas voltam a subir este domingo, sobretudo no interior do país, mas o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê que o vento será moderado a forte no litoral e terras altas, antecipando neblina ou nevoeiro matinal.

Para Castelo Branco e Évora, a máxima prevista é de 32º, o valor mais alto previsto para o continente. Beja com 31º e Santarém com 30º são as outras localidades com valores mais altos. Para o Porto antecipam-se 23º, Lisboa 27º e Faro chegará aos 29º.

De acordo com a previsão para hoje, o céu estará pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade até meio da manhã, em especial no litoral oeste.

O vento também não ajudará no regresso à praia, depois de um sábado de verão marcado pela chuva. O IPMA estima vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante norte, sendo temporariamente de sudoeste no Sotavento algarvio durante a tarde, e soprando por vezes forte (até 40 km/h) no litoral oeste a sul do cabo Raso (Cascais) durante a tarde.

Nas terras altas, o vento será moderado (20 a 30 km/h) do quadrante norte, soprando moderado a forte (30 a 40 km/h) até meio da manhã e a partir do final da tarde, rodando gradualmente para o quadrante oeste.

Para a Grande Lisboa, a previsão aponta céu geralmente limpo, tendo apresentado períodos de maior nebulosidade até ao início da manhã. O vento será fraco a moderado (até 30 km/h) de noroeste, registando-se uma pequena subida da temperatura máxima.

No Grande Porto, o céu estará pouco nublado ou limpo. Com vento fraco, espera-se neblina matinal.

No mar, na costa ocidental, as ondas serão de noroeste com 1,5 a 2 metros, diminuindo para 1 a 1,5 metros a partir da tarde, com a temperatura da água do mar a variar entre os 16º e 17ºC. Já na costa sul, as ondas de sudoeste inferiores a 1 metro e a temperatura da água do mar a subir para os 19/20ºC.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.