Escritura de 1383 do Castelo de São Jorge vai para a Torre do Tombo

O pergaminho da escritura de entrega do castelo ao conde de Barcelos, datado de 1383, foi comprado por 750 euros e vai estar disponível na próxima semana na base de dados do Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT).

O documento, sobre o qual o Estado exerceu o direito de opção no momento da compra, vai ainda ser integrado no fundo documental a que inicialmente pertencia - Casa de Abrantes - e, a 23 de abril, vai fazer parte de uma exposição dedicada a Lisboa na Idade Média, adiantou hoje o diretor-geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas, responsável máximo pelo ANTT, Silvestre Lacerda, no Porto.

O responsável explicou que o pergaminho pertencia há muitos anos a um particular, que o adquiriu a um alfarrabista, e que em 2018 o colocou à venda na internet, tendo sido comprado pelo Arquivo Nacional por 750 euros, preço que estava a ser pedido.

O gabinete de monitorização do Arquivo Nacional, que vai analisando o que se passa nos leilões, nas plataformas eletrónicas e nos alfarrabistas, identificou o documento e a sua origem e pronunciou-se favoravelmente à sua aquisição, adiantou.

Silvestre Lacerda revelou que, depois de contactar o dono do pergaminho, e lograda que foi a tentativa de compra, contactaram a Polícia Judiciária (PJ) para o seu eventual descaminho da legítima tutela do Estado.

"O nosso trabalho foi localizar a pessoa que estava a vender o documento porque na internet não estava identificado, localizá-lo e abordá-lo no sentido de lhe explicar a importância que o documento tinha para o Estado Português, tendo sido fácil chegar a um acordo", referiu o diretor da PJ do Porto, Norberto Martins.

Trabalho de laboratório

Frisando não haver a prática de qualquer ilicitude, Norberto Martins salientou que foram realizados testes no laboratório da polícia científica com técnicas avançadas em colaboração com o ANTT para se certificar a sua autenticidade.

Esse trabalho, que durou cerca de três semanas, permitiu constatar que o documento era autêntico pelo facto de terem encontrado sinais de que esse pergaminho estava envelhecido com o tempo, o uso de tintas ferrogálicas e a disposição dos textos, adiantou a perita forense Ana Assis.

Falando num "processo complexo", a perita contou que estudaram e compararam o documento com outros da mesma época na Torre do Tombo.

"Foi uma perícia boa de ser feita, porque utilizámos várias técnicas e todas elas deram resultados muito conclusivos", frisou.

O documento data de 26 de janeiro de 1383 e trata-se da escritura de entrega do Castelo de S. Jorge, em Lisboa, ao conde de Barcelos, João Afonso Telo, pelo seu alcaide, Martim Afonso Valente.

Uma das testemunhas da escritura foi o alcaide do Castelo de Faria, em Gilmonde, nos arredores de Barcelos, Diogo Gonçalves, e o tabelião foi Peres Esteves.

O ANTT, sob a alçada da Direção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas, tem à sua guarda um universo diversificado de património arquivístico, incluindo documentos originais desde o séc. IX até à atualidade, nos mais variados tipos de suporte, como o pergaminho, papel ou fotografia, entre outros.

A missão do ANTT, na Cidade Universitária, em Lisboa, é a salvaguarda, valorização e divulgação do património documental à sua guarda.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.