Doença de Parkinson terá origem no intestino

A aglutinação incorreta de uma proteína chamada alfa-sinucleína estará ligada a danos nas células nervosas, à deterioração do sistema de dopamina e ao desenvolvimento de problemas de movimento e fala - as três características da doença de Parkinson.

A evidência de que a doença de Parkinson pode começar no intestino está a aumentar. De acordo com uma nova pesquisa, as proteínas que se acredita terem um papel importante na doença podem espalhar-se do trato gastrointestinal para o cérebro.

O corpo humano fabrica naturalmente uma proteína chamada alfa-sinucleína, que se encontra, entre outros lugares, no cérebro, nas terminações das células nervosas. No entanto, a aglutinação incorreta dessas proteínas estará ligada a danos nas células nervosas, à deterioração do sistema de dopamina e ao desenvolvimento de problemas de movimento e de fala - as três características da doença de Parkinson.

Ted Dawson, professor de neurologia da faculdade de medicina da Universidade Johns Hopkins (Estados Unidos) e coautor da pesquisa, notou que, tal como defendia uma antiga teoria, a alfa-sinucleína anormalmente duplicada pode começar no intestino e depois chegar ao cérebro por meio do nervo vago. Esse feixe de fibras que parte do tronco cerebral leva e traz sinais de muitos órgãos do corpo, intestino incluído.

Segundo a pesquisa, a forma como a proteína mal duplicada se espalha nos cérebros dos ratos espelha de perto como a doença se comporta em humanos. "[O estudo] apoia e realmente fornece a primeira evidência experimental de que a doença de Parkinson pode começar no intestino e subir o nervo vago", afirma Dawson, revelando que um possível tratamento estará na correção do mau desenvolvimento da alfa-sinucleína no intestino.

O estudo surge meses depois de um grupo diferente de pesquisadores ter revelado que as pessoas cujo apêndice foi removido cedo tiveram um risco reduzido de desenvolver mais tarde a doença de Parkinson - uma descoberta que especialistas afirmam que também apoia a ideia de que a doença pode começar no intestino.

Mas fica ainda por responder porque algumas pessoas têm aglomerados da proteína anormal no cérebro sem sintoma da doença de Parkinson.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG