Comer melhor, fazer exercício e socializar. Como prevenir a demência

Esta doença afeta 50 milhões de pessoas no mundo inteiro e custa por ano cerca de 730 mil milhões de euros.

Comer melhor, dormir mais, fazer exercício, não fumar e evitar beber. Esta é a receita para retardar a demência, segundo um relatório-guia da Organização Mundial de Saúde, divulgado esta terça-feira.

O estudo reforça a ideia de que a idade é o maior fator de risco de demência; sendo que o envelhecimento não pode ser apontado como uma causa direta da diminuição da capacidade de raciocínio e de memória. Outros fatores mencionados são os diabetes, a tensão alta, o colesterol elevado, a obesidade, a depressão. E estabelece-se ainda uma relação entre esta doença e o isolamento social, a falta de desenvolvimento cognitivo e a perda de audição.

Embora não exista uma forma concreta de prevenir a demência, os conselhos para retardar o aparecimento desta passam por levar fazer um estilo de vida saudável.

"A visão do plano de ação é um mundo em que a demência é evitada e as pessoas com demência e seus cuidadores vivem bem e recebem os cuidados de que necessitam para realizar o seu potencial com dignidade, respeito, autonomia e igualdade", afirmam os autores do relatório, citados pelo jornal The Guardian.

A demência afeta cerca de 50 milhões de pessoas no mundo inteiro e prevê-se que os diagnósticos possam triplicar até 2050. Por ano, esta doença custa 818 biliões de dólares (cerca de 730 mil milhões de euros).

Exclusivos