Chef Ljubomir Stanisic tem projeto nos Açores: "Todas as minhas vacas têm nome"

Stanisic considera que o seu novo restaurante em São Miguel é um gesto de "gratidão" e quer "espicaçar" os cozinheiros locais.

O 'chef' Ljubomir Stanisic diz-se apaixonado pelos Açores, um "pequeno paraíso" ainda não "totalmente descoberto", inclusive pelos portugueses. O seu novo restaurante em São Miguel é um gesto de "gratidão" e quer "espicaçar" os cozinheiros locais.

"Muita gente" no continente disse que abrir um restaurante nos Açores era coisa de "maluco", conta, em entrevista à agência Lusa Stanisic, sublinhando que "ninguém aposta nos Açores" e que, em termos gastronómicos, o que vai sucedendo são festivais onde apenas "se cozinha durante dois ou três dias".

"Ficar cá no duro, com mau tempo, ir buscar o produto, plantar o produto, recolhê-lo, isso ninguém faz. Por exemplo, todas as minhas vacas têm nome, e sou eu que lhes dou água. É uma realidade que é rara, mas que traz uma riqueza única", disse, durante uma conversa a bordo de um barco de pesca desportiva, um momento de "descontração" para o cozinheiro que ajuda "o cérebro a desligar".

Ljubomir Stanisic, que abriu recentemente o restaurante Liquen, nas Furnas, diz estar nos Açores para deixar a sua marca e, acima de tudo, a "gratidão" para com os locais: "Quero espicaçar os Açores com uma gastronomia diferente, para que os outros se preocupem em trabalhar em coisas diferentes".

A gastronomia da região, defende o chefe de cozinha, não é surpreendente, mas tem produtos "fabulosos", nomeadamente os queijos e produtos lácteos, vindos de um "pasto tão rico" como o das nove ilhas açorinas. Esta arte tem, no entanto, de "mudar muito, muito mesmo".

"Há um grande medo de arriscar, não só em São Miguel, mas no conjunto das nove ilhas, há pouca formação direta nas pessoas. Uma das dificuldades aqui é comer um peixe no ponto", lamenta.

Para o natural da antiga Jugoslávia, não é a cozinha que está na moda, mas sim o "comer bem" e a "qualidade da alimentação", o que é positivo.

"Hoje em dia preocupamo-nos com a comida, sabemos mais sobre nutrientes. Para viver bem, só existem três segredos: comer bem, dormir bem e fazer desporto. Por isso estas três coisas estão na moda", explica.

A exigência e o conhecimento dos clientes é, diz Stanisic, uma mais-valia, porque o tornam "mais cuidadoso" e em constante evolução: "Neste tipo de negócio ficar parado é uma estupidez".

O programa televisivo que o 'chef' apresenta - e cujos episódios para a terceira temporada começam a ser gravados em setembro - não "mudou em nada" a sua personalidade, e a "realidade pura e dura" de "Pesadelo na Cozinha" acaba por funcionar como uma tentativa de "mudar mentalidades" de proprietários de restaurantes que "estão a fazer as coisas erradamente".

Ljubomir Stanisic esteve várias vezes aos Açores nas últimas semanas, quer para o lançamento do restaurante Liquen, quer para formações na ilha de São Jorge, onde é consultor.

A conversa com a agência Lusa decorreu, todavia, num momento de descontração, a bordo de um barco de pesca desportiva de Carlos Linhares, um "amigo" e "grande companhia" para um dia de pesca no mar açoriano.

"Nem o conhecia da televisão, a primeira vez que o vi pensava que era jogador de futebol", conta, entre risos, Carlos Linhares - antigo camionista, padeiro, coveiro e eletricista, entre outras profissões -, que espera no futuro colaborar com o 'chef' para oferecer aos clientes uma vertente gastronómica nas suas pescarias.

Por agora, Stanisic vai dar "algumas dicas", coisas "simples e práticas", de produtos e pratos que possam ser servidos a bordo.

Um peixe-porco foi o destaque maior da pescaria de Ljubomir. Mas o mais importante foi "a melhor companhia do mundo" e o "relaxar, a inspiração".

"Quando estou no barco não penso em nada. E quando penso é só em coisas boas. Estar no mar é como estar no 'spa'. É uma terapia. E adoro o mar bravo, forte. E a partir de hoje vamos fazer uma parceria, isso é certo. Ele vai mandar-me clientes [para o restaurante] e eu vou cozinhar para os clientes dele no barco. Isso é certo", concretiza o chefe de cozinha.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.