Britânicos mexem no smartphone em cada 12 minutos

Estudo demonstra que utilizadores passam menos tempo a falar e mais tempo em aplicações de mensagens. A dependência dos smartphones é cada vez maior. Um em cada cinco britânicos passa mais de 40 horas online por semana.

A maioria dos britânicos diz que precisa e espera uma conexão constante de internet onde quer que esteja. Dois terços dos adultos (64%) dizem que a internet é uma parte essencial de sua vida. Um em cada cinco adultos (19%) diz que passa mais de 40 horas por semana on-line. Pela primeira vez, as mulheres passam mais tempo online do que os homens.

O estudo, da responsabilidade da agência do Estado Office of Communications (Ofcom), compara uma década de utilização de aparelhos digitais.

A relação dos britânicos com o smartphone é de grande proximidade: 78% dizem que não poderiam viver sem ele, 71% nunca desligam o telefone e 72% indicam que é o dispositivo mais importante para aceder à internet.

As pessoas no Reino Unido verificam os seus smartphones, em média, em cada 12 minutos. Quarenta por cento dos adultos verificam o telemóvel nos primeiros cinco minutos após acordar, percentagem que sobe para 65% dos menores de 35 anos.

A proporção de pessoas que acedem à internet nos dispositivos móveis aumentou de 20%, em 2008, para 72% em 2018. A quantidade média de tempo online num smartphone é agora de 2 horas e 28 minutos por dia. Os jovens entre os 18 e os 24 são os utilizadores mais vorazes: a média é de 3 horas e 14 minutos.

A quantidade de tempo que se passa em telefonemas nos telemóveis caiu pela primeira vez e em troca usa-se cada vez mais serviços de mensagens como o WhatsApp ou o Facebook Messenger.

Navegar é mais importante do que telefonar

A percentagem de pessoas que considera importante a possibilidade de fazer telefonemas é de 75%, menos importante do que navegar na net (92%).

Há quem reconheça os efeitos negativos de estar online. Quinze por cento das pessoas dizem sentir-se sempre no trabalho e mais da metade (54%) admite que os aparelhos interrompem conversas presenciais com amigos e família.


Exclusivos