Apps que ajudam os doentes portugueses: da gestão da glicemia ao rastreio auditivo

Nos últimos anos foram criadas várias aplicações que permitem aos médicos monitorizar melhor a doença dos pacientes. Embora nem todas tenham sido validadas, muitas já são utilizadas nos consultórios, principalmente na área das doenças crónicas.

A aplicação para smartphones HearWho faz um rastreio auditivo, a mISPIRER controla a medicação de quem tem asma e a Melanoma Detection diagnostica cancro da pele. Há aplicações na área da medicina para quase tudo e os médicos utilizam-nas cada vez mais para monitorizar a saúde dos pacientes. Nem todas representam benefícios reais, mas há vantagens significativas no caso das doenças crónicas.

"Nós temos uma falha muito grande no sistema de saúde tradicional para com as pessoas que têm patologias crónicas, como a diabetes, artrite reumatoide, uma doença pulmonar crónica. Habitualmente, o doente vai ao médico duas vezes por ano e o médico pergunta-lhe o que aconteceu nos últimos seis meses. Isto não dá uma informação precisa, porque não nos lembramos de tudo", diz o médico João Fonseca, investigador do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, no Porto.

Na última década, foram criadas muitas aplicações com o objetivo de aumentar a monitorização dos doentes e "nos últimos dois, três anos tem havido uma explosão do interesse", não só dos doentes como dos profissionais de saúde em usar as novas ferramentas. "E as empresas começam a perceber que estas aplicações podem melhorar os cuidados de saúde e investem", explica o professor da Faculdade de Medicina, da Universidade do Porto.

Também a Organização Mundial de Saúde (OMS) considerou que as aplicações digitais podem contribuir para fornecer soluções disruptivas e já lançou uma aplicação de rastreio auditivo.

Entre as aplicações sobre saúde disponíveis na app store [loja das aplicações], poucas foram validades. Estas são alguns dos exemplos de aplicações que já estão a ser utilizadas por médicos:

HearWho . O objetivo desta aplicação é medir o nível da audição do utilizador. Foi desenvolvida pela OMS e é dirigida principalmente a pessoas com risco de perda auditiva. Como funciona? O utilizador ouve um ruído e tem de o classificar. A aplicação regista todas as classificações, que devem ser analisadas depois por um médico e alerta o cidadão quando os resultados se tornam preocupantes.

mINSPIRER . Dedicada a pessoas com asma, pretende medir a adesão ao tratamento. O sistema guarda o registo de todas as tomas dos medicamentos, que podem ser vistas no contador das bombas ou de outros inaladores. E ainda lembra quando as terapêuticas estão em falta. O padrão do tratamento deve depois ser analisado por um médico.

Mask air . Serve para monitorizar a rinite alérgica. É uma das aplicações de saúde mais utilizada em Portugal e acompanha diariamente o tratamento, avaliando uma possível adaptação. O doente tem de registar os sintomas das suas crises alérgicas e o impacto na sua qualidade de vida e a aplicação produz relatórios diários para o doente e para o médico. Outra aplicação alternativa com os mesmos objetivos é a Airdoc.

Melanoma Detection . Avalia o risco de cancro, através da análise de sinais cutâneos para facilitar o diagnóstico precoce da doença. O utilizador fotografa o sinal com o telemóvel e a imagem é enviada para uma base de dados, vigiada por especialistas. Nas situações em que surge uma desconfiança, o utente é informado. A Derm.ai é outra aplicação com o mesmo objetivo, mas ainda só está disponível para profissionais de saúde.

Diabetes:M . Os diabéticos também têm várias opções nas app stores com o objetivo de monitorizar a doença. Esta é uma delas. A Diabetes:M calcula a quantidade de insulina de que necessita com base no seu historial. Incorpora ainda a possibilidade de fotografar a sua comida para que não tenha de registar manualmente a sua alimentação.

Pregnancy Calculator . Esta aplicação ajuda a definir de quantos meses uma mulher está grávida e qual o dia provável do parto, através da data da última menstruação. Sugere ainda quando deverá fazer ecografias e análises ao sangue.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG