"Um gestor não tem de aceitar todas as trapalhadas"

O ex-presidente da RTP Guilherme Costa disse hoje que um "gestor não tem de aceitar todas as trapalhadas", ao explicar que a razão da sua demissão não foi apenas devido à questão da concessão da RTP a um privado.

O gestor falava na comissão parlamentar para a Ética, a Cidadania e a Comunicação, no âmbito de um requerimento do PS, apresentado na sequência do seu pedido de demissão da presidência da RTP, no final de agosto.A saída de Guilherme Costa aconteceu depois de o consultor do Governo António Borges ter anunciado numa entrevista que estava a ser estudada a concessão da RTP a um privado, tendo na altura a administração do grupo estatal de rádio e televisão manifestado a sua oposição ao modelo."Não acho que seja verdade que o projeto de concessão tenha sido apresentado como um projeto interessante. Não foi assim que foi apresentado", disse Guilherme Costa, contrapondo as declarações de António Borges, que na altura considerou o modelo um "cenário atraente".Para Guilherme Costa, "o mal está feito", criticando a forma como este modelo foi anunciado.Apesar de admitir uma "simpatia pessoal" por António Borges, o antigo presidente da RTP considerou que "apresentar este projeto e dizer que o privado que vier até pode despedir" foi a "forma mais absurda" de ser apresentado o modelo."Eu não gosto do projeto, não conheço capacidade de fazer serviço público, nos moldes que eu entendo, através da concessão no privado", considerando o modelo alternativo à privatização uma espécie de parceria público-privada (PPP).A forma como este anúncio afetou "a capacidade de mobilização na empresa é irreparável", considerou, sublinhando: "Acho que um gestor não tem de aceitar todas as trapalhadas"."Portanto, a razão da minha demissão não é necessariamente a concessão", adiantou o gestor, para quem, quando se fixam objetivos, é preciso exigir "que esses não sejam sistematicamente pisados".Por isso, resolveu pedir a demissão "quando surgiu a hipótese de não ser aquilo que estava combinado".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG