SIC Caras vai apostar na realeza e nas celebridades

O canal SIC Caras será lançado a 6 de dezembro e ocupará a posição 14 da Zon. Biografias e documentários sobre realeza e também formatos nacionais como 'Passadeira Vermelha' e 'Posso Entrar' são alguns dos conteúdos da programação.

"O SIC Caras é um canal que será vivo, atuante e que vai refletir o que é a revista Caras. Vai ser um canal surpreendente. Incorporará uma média entre os 40 a 50 por centro de produção nacional", anunciou Luís Marques, diretor-geral de Conteúdos da Impresa, na apresentação à comunicação social do canal que decorreu, esta manhã, em Carnaxide.

Produzido pela Fremantle, Passadeira Vermelha chega como um, entre outros, programas de produção nacional que marcam a grelha do novo canal temático da Impresa. "Vai ocupar o horário de prime-time, será transmitido de segunda a sexta feira e apresentado por caras do canal", declarou ainda o responsável de Carnaxide sem, porém, adiantar mais pormenores sobre o formato.

A vida da realeza terá também especial destaque no novo canal. "Vamos ter documentários com chancela da BBC, e outros conteúdos sobre a realeza", afirmou Daniel Oliveira, que foi indicado como diretor do canal.

Posso Entrar, Fama Show, Alta Definição, Martha Stewart Show, The Voice são alguns outros programas do novo canal, que estreia a 6 de dezembro.

SIC Caras é um canal exclusivo da Zon e ocupará a posição 14 da grelha da operadora nos serviços de cabo e satélite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.