Segunda temporada com menos escrúpulos e mais tensão

Um dia depois de ter arrancado nos Estados Unidos, a TVSéries estreia este sábado à noite a segunda temporada de House of Cards. A série protagonizada por Kevin Spacey chega ao canal às 22.00.

Kevin Spacey está de regresso ao TVSéries na pele do implacável Frank Underwood. A segunda temporada de House of Cards chega ao canal este sábado, a partir das 22.00, um dia após a sua estreia nos Estados Unidos.

Realizada por David Fincher, a série acompanha as ações de Frank Underwood, um calculista e ambicioso político que ambiciona alcançar um alto cargo público em Washington, não olhando a meios para alcançar os seus intentos.

Se na primeira temporada vimos as suas jogadas audazes para ir aniquilando, um por um, aqueles que ameaçavam a sua ascensão, esta temporada apresenta um protagonista ainda mais implacável e diabólico. Como não tem paciência para sofrimentos inúteis, aquele que é agora o vice-Presidente dos Estados Unidos conhece bem o trilho do poder e vai defendê-lo a todo o custo.

Por seu lado, Mrs. Underwood (Robin Wright, vencedora do Globo de Ouro 2014 na categoria de Melhor Atriz de Série Dramática), agora que é apontada como futura primeira-dama, vê nas luzes da ribalta um perigo que poderá ofuscar-lhe os planos... A verdade é que existem ameaças concretas. Em especial a jornalista Zoe Barnes (Kate Mara) que insiste em investigar a ligação de Underwood à morte de um senador...

Os dois estão dispostos a tudo para aniquilar aqueles que ameacem a sua ascenção no poder.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.