RTP irredutível na negociação dos jogos da seleção

O prazo de negociação dos direitos dos jogos do mundial terminam esta sexta-feira e Alberto da Ponte reitera que "não disponibilizará os jogos da selecção para outros canais de sinal aberto". Presidente da RTP não revela que outras formas de rentabilização do investimento estão a ser exploradas

"A RTP não disponibilizará os jogos da selecção para outros canais em sinal aberto, a selecção é o nosso maior ativo e não abrimos mão desse ativo", reiterou o presidente Alberto da Ponte, à margem da apresentação da reformulada RTP Internacional. Uma posição reforçada em véspera do fim do prazo para a negociação das transmissões dos jogos do Mundial, que termina esta sexta-feira, e que tinha levado a SIC e TVI a romperem com as negociações, a 24 de janeiro, por não estarem de acordo com o modelo de leilão definido pela RTP e que excluía a "possibilidade de [as privadas] exibirem qualquer jogo da Seleção de Portugal, em qualquer das fases da competição", declarava o comunicado da SIC e TVI, considerando que, com esta opção, a "RTP estava mais interessada em controlar a concorrência".

A partilha dos custos do Mundial entre os operadores generalistas free to air deverá cair assim por terra uma vez que a RTP não abdica da sua posição. Alberto da Ponte afirma que "todas as possibilidades estão a ser exploradas" em matéria de rentabilização dos custos do mundial - que segundo a imprensa terá custado 5 milhões de euros - , mas não revela quais as formas que a estação publica poderá encontrar. "Estou em crer que vamos ter um superavit, mas o futuro o dirá", afirma.

Confrontado com a possibilidade de a RTP vir a explorar um canal específico à semelhança do que fez com a RTP Olímpicos aquando dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, Alberto da Ponte sustenta que "tudo o que for feito tem de ser bem analisado pelos nossos juristas e aprovado pela FIFA". Estação prepara soluções que podem estar disponíevis pela Internet e pela RTP Play, com pacotes de imagens com, entre outros conteúdos, resumos de jogos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.