RTP irredutível na negociação dos jogos da seleção

O prazo de negociação dos direitos dos jogos do mundial terminam esta sexta-feira e Alberto da Ponte reitera que "não disponibilizará os jogos da selecção para outros canais de sinal aberto". Presidente da RTP não revela que outras formas de rentabilização do investimento estão a ser exploradas

"A RTP não disponibilizará os jogos da selecção para outros canais em sinal aberto, a selecção é o nosso maior ativo e não abrimos mão desse ativo", reiterou o presidente Alberto da Ponte, à margem da apresentação da reformulada RTP Internacional. Uma posição reforçada em véspera do fim do prazo para a negociação das transmissões dos jogos do Mundial, que termina esta sexta-feira, e que tinha levado a SIC e TVI a romperem com as negociações, a 24 de janeiro, por não estarem de acordo com o modelo de leilão definido pela RTP e que excluía a "possibilidade de [as privadas] exibirem qualquer jogo da Seleção de Portugal, em qualquer das fases da competição", declarava o comunicado da SIC e TVI, considerando que, com esta opção, a "RTP estava mais interessada em controlar a concorrência".

A partilha dos custos do Mundial entre os operadores generalistas free to air deverá cair assim por terra uma vez que a RTP não abdica da sua posição. Alberto da Ponte afirma que "todas as possibilidades estão a ser exploradas" em matéria de rentabilização dos custos do mundial - que segundo a imprensa terá custado 5 milhões de euros - , mas não revela quais as formas que a estação publica poderá encontrar. "Estou em crer que vamos ter um superavit, mas o futuro o dirá", afirma.

Confrontado com a possibilidade de a RTP vir a explorar um canal específico à semelhança do que fez com a RTP Olímpicos aquando dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, Alberto da Ponte sustenta que "tudo o que for feito tem de ser bem analisado pelos nossos juristas e aprovado pela FIFA". Estação prepara soluções que podem estar disponíevis pela Internet e pela RTP Play, com pacotes de imagens com, entre outros conteúdos, resumos de jogos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.