'Rosa Fogo' junta-se à concorrência em Nova Iorque

Esta é a primeira vez, na história da ficção nacional, que duas novelas portuguesas estão nomeadas para um dos prémios internacionais mais cobiçados da televisão, os Emmy.

A fição nacional está em peso nos Estados Unidos. Um dia depois dos protagonistas da novela Remédio Santo partirem para Nova Iorque, hoje foi a vez de três atores do elenco de Rosa Fogo se juntarem à restante equipa de produção da SIC, que já se encontrava na cidade, onde dia 19 de novembro vai decorrer a cerimónia de entrega dos prémios Emmy Internacionais.

"É inacreditável", afirmava Cláudia Vieira no aeroporto de Lisboa, uma hora antes de apanhar o voo para Nova Iorque. "A verdade é que Rosa Fogo foi um projeto que me deu um gozo tremendo, mas não foi uma novela que se valorizasse muito e agora estamos nomeados para um Emmy. São só quatro novelas que estão lá", frisa.

Esta é a primeira vez que dois formatos, de diferentes canais, concorrem a um dos maiores prémios internacionais de televisão: Melhor Telenovela. Remédio Santo, da estação de Queluz de Baixo e Rosa Fogo, da SIC, juntam-se à corrida pela estatueta dourada, onde também "correm" O Astro, da Globo, e Iron Daughters-in-Law, uma produção sul-coreana.

Com um vestido cor de champanhe de Miguel Vieira, a antiga apresentadora dos Ídolos vai estar lado a lado nos Emmy com os colegas Rogério Samora e José Fidalgo. "Vamos em representação de 20 e poucos atores e a equipa técnica. Eu, o Rogério e o Zé fomos os três felizardos a ter a possibilidade de estar lá e fazer parte desta cerimónia", contou, explicando que se sente "muito positiva" em relação à possível vitória do formato da SIC.

Para Samora, "ganhar dois anos seguidos é difícil". "É um bocadinho como um ator ganhar o Óscar dois anos seguidos, mas vamos ver", explica o ator, fazendo referência à novela Laços de Sangue, que o ano passado deu a vitória à estação de Carnaxide, na mesma categoria. Em caso de dúvidas, o ator da SIC revelou que já está a treinar uns "Thank You", caso o galardão venha mesmo para casa com Rosa Fogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".