Julia Louis-Dreyfus promove Emmy em casa de penhores

Os atores Bryan Cranston e Aaron Paul e a atriz Julia Louis-Dreyfus são os protagonistas de um vídeo que pretende publicitar a cerimónia de entrega dos prémios, que terá lugar no dia 25. Veja o vídeo.

O vídeo está online deste esta terça-feira e já conta com mais de dois milhões de visualizações. Durante pouco mais de seis minutos, Bryan Cranston e Aaron Paul, atores da série Breaking Bad, e Julia Louis-Dreyfus, de Veep, protagonizam uma pequena comédia que visa chamar a atenção para a entrega dos prémios Emmy, no próximo dia 25.

Publicado pela Academy of Television Arts & Sciences, que entrega aqueles que são os mais importantes galardões da indústria televisiva norte-americana, a filmagem é uma paródia aos doc realitys centrados nos negócio das casas de penhores, como O Preço da História. Bryan Cranston e Aaron Paul vestem a pele dos proprietários de uma dessas lojas, a Barely Legal, onde recebem a visita de Julia Louis-Dreyfus, que decide vender um dos seus quatro Emmy. Neste caso, o que recebeu pelo seu desempenho em Seinfeld.

Os três atores estão nomeados para os prémios deste ano, cuja cerimónia se realiza no Nokia Theatre, em Los Angeles, EUA, com apresentação do humorista Seth Meyers.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.