José Fragoso diz que é "reconhecimento de qualidade"

Depois de ter conquistado dois Emmy nos últimos dois anos, Portugal volta a estar nomeado para os prestigiados prémios internacionais, com Rosa Fogo e Remédio Santo.

O diretor-coordenador da TVI considera que a nomeação de duas novelas portuguesas ao Emmy Internacional é "um reconhecimento da qualidade da ficção portuguesa". "Estamos a fazer o nosso caminho e estamos a fazê-lo bem, porque estamos a conseguir nomeações consistentes para um prémio que, até há pouco, era inatingível para nós", disse José Fragoso ao nosso site.

O responsável sublinhou que estas nomeações portuguesas "são um importante estímulo para as equipas que estão por trás das produções e que, como se sabe, trabalham em condições nem sempre fáceis, sobretudo numa fase como esta".

Confiante na qualidade de Remédio Santo, Fragoso escusa-se porém em falar de favoritismos. "Estarmos nomeados já é muito significativo e o que importa aqui referir é que a produção portuguesa é há três anos consecutivos reconhecida internacionalmente".

Para além de Remédio Santo (TVI) e Rosa Fogo (SIC), estão também nomeadas as novelas O Astro (Globo) e Iron Daughters-in-Law (tradução para inglês da novela produzida na Coreia do Sul). A cerimónia de entrega dos prémios está marcada para 19 de novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.