Jessica Lange é bruxa em 'American Horror Story: Coven'

Depois dos inquilinos de uma casa assombrada e dos pacientes de um hospital psiquiátrico, a terceira temporada de 'American Horror Story' acompanha um grupo de bruxas.

Elas conseguiram escapar da perseguição em Salem, Massachussets, EUA, e encontraram um lar no Louisiana. As bruxas de que se fala vão ser as protagonistas de Coven, a próxima temporada da aclamada série norte-americana.

Jessica Lange volta a fazer as honras da casa, desta vez na pele de Fiona, uma das bruxas, que se vão movimentar entre o passado e o presente, disse a atriz durante um evento da associação norte-americana de críticos de televisão.

Além de Lange, à série voltarão Sarah Paulson (como Cordelia, a filha de Fiona), Kathy Bates, que interpreta Madame LaLaurie (senhora da alta sociedade de Nova Orleães do início do século XIX, que ficou conhecida por torturar e matar escravos), e Angela Bassett na pele da praticante do vodu Marie Laveau.

A temporada American Horror Story: Coven estreia em outubro no canal FX, um mês de se conhecerem os vencedores dos Emmy, a 23 de setembro, prémios para os quais a anterior American Horror Story: Asylum tem, nada mais nada menos, do que 17 nomeações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.