Estação pública abre novo processo de rescisões

Será para todos os profissionais, incluindo os que estão fora da empresa por motivos de baixa, licenças ou requisições e paga 14 vezes o valor mensal, mais um índice de antiguidade que pode chegar aos 2,0.

A ordem de serviço chegou na véspera de o ministro adjunto e do desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, ter declarado em comissão parlamentar de Ética que a RTP tem de reduzir gastos com pessoal. Trata-se de um novo plano que surge depois de estar a correr, desde março de 2013, uma primeira proposta que já levou à saída de cerca de 200 trabalhadores.

Agora, a RTP propõe rescisões voluntárias a todos os profissionais, incluindo os que têm estado fora da RTP. Estes casos dizem respeito a situações como licenças sem vencimento, especial de maternidade e paternidade, requisições, baixas prolongadas, mas também está dirigida para profissionais que estejam de baixa até 30 dias, por acidentes de trabalho ou por licença de maternidade.

Fonte oficial da empresa pública de media recusou dar explicações sobre a proposta que, mantém o limite máximo de 150 mil euros por funcionário. Há depois um regime de penalizações percentuais ao valor máximo consoante a idade e consoante a duração de permanência como quadro da empresa não ativo [o que inclui as licenças sem vencimento, requisições, cedências especiais]. A nova proposta prevê bónus de 2,5 a 15% a quem mais rapidamente decidir candidatar-se. O plano fecha a 31 de março e os trabalhadores devem sair até 11 de abril.

A nova proposta para rescisões chega cinco meses depois do DN ter noticiado os primeiros ecos que davam conta de que a RTP estava a chamar todos os funcionários em funções externas para não prolongar essas situações, pondendo negociar em alguns casos eventuais saídas.

Leia mais na edição de hoje do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.