Ellen vai lançar programa de decoração de casas

Em 'Ellen's Design Challenge', seis concorrentes vão disputar uma série de desafios criativos em contra-relógio. A estreia está prevista para 2015.

A produtora DeGeneres' A Very Good Production vai deixar a sua marca, pela primeira vez, num canal do cabo. Em parceria com a estação norte-americana HGTV, a empresa de Ellen DeGeneres prepara-se para criar uma competição de decoração de casas.

Num tempo limite de 24 horas, os concorrentes de Ellen's Design Challenge vão disputar desenhos, ideias decorativas e capacidades de construção de mobiliário. Quem causar melhor impressão no painel de jurados, levará para casa um prémio em dinheiro.

"Estou tão entusiasmada com este programa, porque adoro encontrar peças de mobiliário especiais. Uma vez, encontrei um armário único que me marcou de uma forma que nunca tinha experienciado. Acontece que estava um vagabundo a viver lá dentro, mas essa é uma história para outra altura", brincou a apresentadora.

Kathleen Finch, presidente do canal HGTV, também não conteve o entusiasmo com esta parceria. "Tem havido muita dança nos nossos corredores desde que anunciámos que iriamos colaborar com a Ellen. Como mais nenhum canal consegue ter audiências que sejam tão entusiásticas quanto ela quanto a um processo criativo, tínhamos que fazer isto acontecer", explicou.

Ellen's Design Challenge terá seis episódios e estreia-se no próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.