Com cancro terminal criador de 'Os Simpsons' doa milhões

Sam Simon, um dos cérebros por trás da divertida série de animação, descobriu recentemente que sofre de um cancro no cólon. Com poucos meses de vida, o produtor decidiu doar o seu dinheiro a instituições de caridade.

"É basicamente uma semana sim, uma semana não, de quimioterapia. Sinto todo o tipo de efeitos colaterais - fatiga, náuseas - e a quimio acumula-se no meu corpo (...)", revelou Simon ao jornal americano Hollywood Reporter.

Sam, de 58 anos, descobriu em maio que padecia de um tumor maligno no cólon e, segundo os médicos, tem entre três a seis meses de vida.

O argumentista, que é um acérrimo defensor dos direitos dos animais, contou que vai usar a sua riqueza para, entre outras coisas, ajudar a fechar jardins zoológicos, encerrar espectáculos que abusem de animais e financiar centros de resgate de cães. "Eu sinto prazer com isso. Adoro. Não sinto que seja uma obrigação", frisou.

Sam Simon já venceu nove prémios Emmy com Os Simpsons, que criou em parceria com Matt Groening. Aos fãs da série, que têm lamentado a situação nas redes socias, escreveu um simples "obrigado pelos tweets carinhosos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...