Channel 4 prova que pénis de Napoleão era "pequeno"

O programa documental 'Dead Famous DNA', do canal britânico, teve acesso ao órgão genital de Napoleão Bonaparte, cortado durante a autópsia, há quase 200 anos, e revelou que este era "muito pequeno", com cerca de 3.8 centímetros.

O documentário Dead Famous DNA, conduzido pelo apresentador Mark Evans, no Channel 4, dedica-se a analisar os mistérios deixados para trás por algumas das mais marcantes figuras mundiais. Mas enquanto que, na maioria dos casos, é um fio de cabelo que descodifica o ADN da pessoa em questão, no episódio dedicado a Napoleão Bonaparte é o seu pénis o alvo de estudo.

Como é que o órgão foi parar às mãos do canal britânico? A resposta é-nos dada por Evan Lattimer, cujo pai, um urologista, lhe deixou uma surpresa no testamento. "Ele comprou-o, nunca o mostrou a ninguém, nunca contou a ninguém. Ele só o guardou debaixo da secretária e deixou-o ali estar", contou, acrescentando que a aquisição foi feita durante um leilão em Paris, em 1977, por 300 dólares (cerca de 217 euros).

Lattimer explicou ainda como é que o pénis do imperador francês, conhecido pela sua pequena estatura, se separou do resto do corpo. "Foi cortado durante a autópsia. Deixaram uma nota escrita: "Cortámos algumas partes"", relatou. E não escondeu pormenores. "É muito pequeno, mas é famoso por ser pequeno. Está perfeito, estruturalmente. A universidade realizou Raios-X e exames e é obviamente aquilo que parece".

Mark Evans, o anfitrião do espaço documental, não deixou de comentar a descoberta. "Já vi muitos pénis, desde o de um Chihuahua ao de uma baleia. Este é muito murcho", frisou.

O tamanho exato, avançam ainda os investigadores, ronda os 3.8 centímetros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.