Channel 4 prova que pénis de Napoleão era "pequeno"

O programa documental 'Dead Famous DNA', do canal britânico, teve acesso ao órgão genital de Napoleão Bonaparte, cortado durante a autópsia, há quase 200 anos, e revelou que este era "muito pequeno", com cerca de 3.8 centímetros.

O documentário Dead Famous DNA, conduzido pelo apresentador Mark Evans, no Channel 4, dedica-se a analisar os mistérios deixados para trás por algumas das mais marcantes figuras mundiais. Mas enquanto que, na maioria dos casos, é um fio de cabelo que descodifica o ADN da pessoa em questão, no episódio dedicado a Napoleão Bonaparte é o seu pénis o alvo de estudo.

Como é que o órgão foi parar às mãos do canal britânico? A resposta é-nos dada por Evan Lattimer, cujo pai, um urologista, lhe deixou uma surpresa no testamento. "Ele comprou-o, nunca o mostrou a ninguém, nunca contou a ninguém. Ele só o guardou debaixo da secretária e deixou-o ali estar", contou, acrescentando que a aquisição foi feita durante um leilão em Paris, em 1977, por 300 dólares (cerca de 217 euros).

Lattimer explicou ainda como é que o pénis do imperador francês, conhecido pela sua pequena estatura, se separou do resto do corpo. "Foi cortado durante a autópsia. Deixaram uma nota escrita: "Cortámos algumas partes"", relatou. E não escondeu pormenores. "É muito pequeno, mas é famoso por ser pequeno. Está perfeito, estruturalmente. A universidade realizou Raios-X e exames e é obviamente aquilo que parece".

Mark Evans, o anfitrião do espaço documental, não deixou de comentar a descoberta. "Já vi muitos pénis, desde o de um Chihuahua ao de uma baleia. Este é muito murcho", frisou.

O tamanho exato, avançam ainda os investigadores, ronda os 3.8 centímetros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.