Atores da TVI querem trazer outro Emmy para casa

Rita Pereira, Margarida Marinho, Sara Barradas e João Catarré foram os escolhidos pela estação de televisão para representar a novela 'Remédio Santo' em Nova Iorque.

Os quatro protagonistas da novela Remédio Santo (TVI), nomeada para um Emmy, já partiram para Nova Iorque onde vai decorrer a cerimónia internacional dos prémios de televisão. Rita Pereira, Margarida Marinho, Sara Barradas e João Catarré juntam-se assim a António Barreira, autor do formato da estação de Queluz de Baixo, e à restante equipa de produção da TVI que já se encontra na cidade norte-americana.

"Não estou muito confiante. Duvido que Portugal ganhe três anos seguidos. Acho que vai para a Globo", contou Rita Pereira sobre as suas expectativas, antes da partida para o continente americano. "Se não ganharmos nós Remédio Santo, que ganhe a SIC, sem dúvida. Que seja Portugal a ganhar", confidenciou.

A verdade é que esta é a primeira vez que duas novelas nacionais, de canais diferentes, concorrem pela mesma categoria: A Melhor Telenovela. A par da novela da SIC, Rosa Fogo (de autoria de Patrícia Muller), o formato da TVI disputa ainda o prémio final com o remake da Globo, O Astro, e a produção sul-coreana, Daughters-in -Law.

Já repetente na cerimónia, onde esteve em 2010 para receber o galardão da novela Meu Amor, a atriz da TVI desmistifica a ideia do glamour do evento. "Obviamente tem os atores de Hollywood, mas de resto não é nada glamoroso. O jantar é frango cozido com puré de pacote", conta. A atriz Margarida Marinho, que marca também a sua segunda presença nos Emmys concorda: " As nossas produções são tão boas ou melhores do que se faz lá fora. Temos imenso cuidado, uma maneira de construir os eventos que tem uma qualidade superior internacional".

Dourado é a cor do galardão que será entregue à novela vencedora mas é também... a cor da indumentária de Margarida Marinho. "O meu vestido é dos 'Manéis' Alves/Gonçalves, revelou, adiantando: "Podemos não trazer o Emmy mas garanto que levamos os vestidos mais bonitos". Rita Pereira, mais discreta em relação ao que vai usar contou apenas: "Desenhei o meu vestido com a Micaela Oliveira e é muito inspirada no fado, na tradição portuguesa". "Quis levar mesmo uma coisa que marcasse portugal, com uns brincos enormes com ouro filigrana", explica.

Para a atriz Sara Barradas, a escolha vai ser VS Couture e João Catarré optou pelo típico smoking, que nunca deixa ficar mal. "É um fato preto da Hugo Boss", explicou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.