'12 Anos Escravo' alerta jornal para erro com 161 anos

Um artigo de 1853 sobre Soloman Northup, o escravo que inspirou o vencedor deste ano do Óscar de Melhor Filme, foi corrigido nesta terça-feira pelo 'New York Times' depois de um leitor reparar que o apelido estava mal escrito.

Ao percorrer o arquivo do jornal norte-americano, um leitor detetou não um, mas dois erros num artigo de 20 de janeiro de 1853, que se referia ao escravo afro-americano como "Northrop", no corpo da notícia, e "Northrup", no título, em vez da forma correta, "Northup".

"Os erros foram identificados na segunda-feira depois de um utilizador do Twitter ter feito referência ao artigo do The Times", explicaram os editores da publicação, na edição de terça-feira.

Também a escritora de best sellers Rebecca Skloot reparou no equívoco com 161 anos e alertou o New York Times através da mesma rede social. O que a autora não estava à espera era que também ela, nas mensagens em que expôs o problema, caísse na mesma armadilha. "A ironia, claro, é que sou péssima com gramática", brincou em seguida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.