11 de setembro recordado no cabo

Vários canais exibem esta quarta programação especial sobre o atentado que mudou o mundo e que vitimou três mil pessoas

Doze anos depois, o mundo continua a não esquecer-se dos ataques terroristas que mudaram o curso da história, quando dois aviões pilotados por membros da Al-Qaeda embateram nas Torres Gémeas do World Trade Center, em Nova Iorque, EUA. Para assinalar mais um aniversário da tragédia que matou cerca de três mil pessoas, vários canais do cabo voltam a exibir esta quarta uma programação especial alusiva ao tema.

O National Geographic Channel estreia os documentários O Milagre do Surfistado 11 de Setembro e Os Bombeiros do Ground Zero, pelas 21.20 e 22.10, respetivamente. No primeiro, conta-se a história de Pasquale Buzzelli, sobrevivente do atentado terrorista que saiu vivo de entre os escombro. No segundo, é retratada o trabalho da equipa de bombeiros da Ten House, os primeiros a entrar nas Torres Gémeas após o ataque.

O canal BIO, por seu lado, estreia Mensagens do 11-S, às 21.30, que conta com os testemunhos de familiares das vítimas do atentado da Al-Qaeda. Logo de seguida, é transmitido Sobrevivi ao 11-S, no qual três espanhóis e um português a viver em Nova Iorque relatam como viveram o acontecimento.

Quatro programas formam o especial que o História exibe a partir das 16.55, com 11 de Setembro,12 Anos Depois, onde se conta a reconstrução da Zona Zero. Às 17.10, Os Dias Seguintes relata o que aconteceu depois do ataque terrorista. Memória do 11 de Setembro, de seguida, faz-nos uma visita guiada ao memorial que foi construído no local onde estavam situadas as Torres Gémeas. Por fim, Como Vivemos o 11 de Setembro, às 21.15, centra-se na forma como os media olharam para este dia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.