Futuro da RTP "deverá" ficar decidido no dia 10

Presidente do Conselho de Administração adiantou à redação da RTP, esta quinta-feira, 3, que o modelo de venda da RTP "deverá" ficar decidido "para a semana" em Conselho de Ministros. Alberto da Ponte afastou a possibilidade de despedimentos na Informação, mas mostrou receptividade às rescisões por mútuo acordo.

Alberto da Ponte deixou esta tarde, num encontro com a redação da RTP em Lisboa e segundo várias fontes contactadas, a convicção de que o modelo de privatização e ou concessão a aplicar à RTP "deverá ficar decidido" na próxima reunião de Conselho de Ministros, prevista para 10 de janeiro.

Neste encontro com os jornalistas e em que estiveram presentes o diretor-geral, Luís Marinho, e o diretor de Informação, Paulo Ferreira, o presidente do Conselho de Administração abriu as portas ao cenário de uma RTP com capitais mistos.

Ao DN, várias fontes da redação garantiram que Alberto da Ponte declarou acreditar "num serviço público com dois canais, não integralmente na mão do Estado, mas com a tutela e o supervisionamento do Estado". Segundo este modelo, a RTP alienaria 49% do seu capital e mantinha 51% nas mãos do Estado.

Na reunião em que Alberto da Ponte estava, descreve quem assistiu, "muito bem disposto", o presidente adiantou que "não estão previstos despedimentos na Informação, pelo menos para já", mas não descartou a hipótese das rescisões por mútuo acordo. "Estamos recetivos aos pedidos que nos forem feitos", terá dito o responsável.

O presidente da estação pública vai estar reunido com os trabalhadores do Porto esta sexta-feira, 4 de janeiro, para lhes falar também dos planos da RTP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG