"A TV generalista morre em 10 anos se não mudar"

Júlio Isidro, Daniel Oliveira e Teresa Guilherme debateram na Escola Superior de Comunicação Social fórmulas para o sucesso dos programas de televisão ressalvando a importância das novas tecnologias

Numa altura em que as plataformas de consumo se multiplicam, não há dúvidas: o pequeno ecrã tem de se aliar às novas formas de ver televisão, o second screen. Esta foi uma das conclusões a que Teresa Guilherme, Júlio Isidro e Daniel Oliveira chegaram no segundo Encontro Notícias TV - Pensar a Televisão, que decorreu esta terça-feira na Escola Superior de Comunicação Social, Lisboa, perante uma plateia de 500 estudantes e ainda seis mil espectadores online.

"O Facebook é um autêntico produtor durante os programas. Vou sendo informada em tempo real do que é dito, comentado, criticado na rede social, é fascinante ter a reação em direto do público", diz Teresa Guilherme, apresentadora da TVI. Com a crescente criação de canais de TV online, Daniel Oliveira, apresentador da SIC e diretor da SIC Caras, diz: "Os operadores de TV vão ter de estar nesse campeonato também. Temos de estar onde as pessoas estão, vai ter de acontecer essa complementaridade. A televisão vai ter de se adaptar, a si e aos seus conteúdos, a esse tipo de plataformas."

Os três comunicadores também não têm dúvidas de que "o futuro da televisão generalista morre em 10 anos se não mudar", frisou Júlio Isidro.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG