RTP faz razia nas direções. Sucessores revelados na sexta-feira

Hugo Andrade, José Manuel Portugal, Fausto Coutinho perdem os cargos de direção na RTP e não serão os únicos. Os pedidos de exoneração ao regulador e a nomeação de sucessores, que devem ser internos, serão conhecidos esta sexta-feira.

Nova administração da RTP não quer deixar pedra sobre pedra no que diz respeito às direções de informação e programas que herdou da anterior administração de Alberto da Ponte. Depois de José Manuel Portugal ter sido informado, na terça-feira, de que iria ser exonerado do cargo de diretor de Informação da televisão pública, a tarde de ontem foi um sobe e desce ao quarto andar do edifício da Marechal Gomes da Costa, com a ida de diretores à administração.

"Hugo Andrade [diretor de programas da RTP1] e Fausto Coutinho [diretor de Informação da rádio] vão ser exonerados. Luís Marinho [diretor de estratégia de grelha] e Elísio Oliveira [diretor de programas da RTP2] também deverão sair", afirmou ao DN uma fonte próxima. Informação confirmada por vários elementos da RTP, que acrescentam que os visados "deixam os cargos, mas não a empresa".

Apesar das diversas tentativas, os diretores estiveram incontactáveis até ao fecho desta edição. Exceção feita a José Manuel Portugal que confirmou a saída. "Não é tempo para comentários, mas posso dizer que estamos [ele e a equipa] com a consciência tranquila".

Nuno Artur Silva, administrador com o pelouro dos conteúdos, confirma as conversas com diretores tendo em vista a futura exoneração dos cargos, mas não adianta os nomes dos responsáveis visados e muito menos as razões pelas quais põe em marcha o processo de exoneração dos diretores que, em dezembro, puseram em causa o órgão supervisor da RTP. Recorde-se que as direções fizeram um pedido de esclarecimentos à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) em que questionaram a legitimidade do Conselho Geral Independente (CGI)na aquisição dos direitos de transmissão da Champions 2015-2018.

A ERC deu, na altura, razão aos responsáveis da RTP e agora caber-lhe-á dar parecer sobre as exonerações avançadas pela atual administração da RTP, presidida por Gonçalo Reis, e aos novos nomes que vão ser escolhidos. "É verdade que estamos a informar as pessoas das nossas intenções e que temos reuniões marcadas para sexta-feira [amanhã] com o CGI para apresentar o novo organograma e que enviaremos à ERC os pedidos de exoneração e nomeação de novos diretores", confirmou Nuno Artur Silva.

Sobre os futuros nomes que estão na lista do novo conselho de Administração, impera o silêncio. Contudo, depois de terem sido feitos convites a personalidades externas à RTP - tal como a Notícias TV adiantou em primeira mão na semana passada - as "cinco recusas" que, segundo fontes, a administração terá recebido, fez com que "olhassem para soluções internas". "Na direção de Informação da televisão fala-se num jornalista experiente para assumir a pasta", afirma a mesma fonte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.