RTP faz razia nas direções. Sucessores revelados na sexta-feira

Hugo Andrade, José Manuel Portugal, Fausto Coutinho perdem os cargos de direção na RTP e não serão os únicos. Os pedidos de exoneração ao regulador e a nomeação de sucessores, que devem ser internos, serão conhecidos esta sexta-feira.

Nova administração da RTP não quer deixar pedra sobre pedra no que diz respeito às direções de informação e programas que herdou da anterior administração de Alberto da Ponte. Depois de José Manuel Portugal ter sido informado, na terça-feira, de que iria ser exonerado do cargo de diretor de Informação da televisão pública, a tarde de ontem foi um sobe e desce ao quarto andar do edifício da Marechal Gomes da Costa, com a ida de diretores à administração.

"Hugo Andrade [diretor de programas da RTP1] e Fausto Coutinho [diretor de Informação da rádio] vão ser exonerados. Luís Marinho [diretor de estratégia de grelha] e Elísio Oliveira [diretor de programas da RTP2] também deverão sair", afirmou ao DN uma fonte próxima. Informação confirmada por vários elementos da RTP, que acrescentam que os visados "deixam os cargos, mas não a empresa".

Apesar das diversas tentativas, os diretores estiveram incontactáveis até ao fecho desta edição. Exceção feita a José Manuel Portugal que confirmou a saída. "Não é tempo para comentários, mas posso dizer que estamos [ele e a equipa] com a consciência tranquila".

Nuno Artur Silva, administrador com o pelouro dos conteúdos, confirma as conversas com diretores tendo em vista a futura exoneração dos cargos, mas não adianta os nomes dos responsáveis visados e muito menos as razões pelas quais põe em marcha o processo de exoneração dos diretores que, em dezembro, puseram em causa o órgão supervisor da RTP. Recorde-se que as direções fizeram um pedido de esclarecimentos à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) em que questionaram a legitimidade do Conselho Geral Independente (CGI)na aquisição dos direitos de transmissão da Champions 2015-2018.

A ERC deu, na altura, razão aos responsáveis da RTP e agora caber-lhe-á dar parecer sobre as exonerações avançadas pela atual administração da RTP, presidida por Gonçalo Reis, e aos novos nomes que vão ser escolhidos. "É verdade que estamos a informar as pessoas das nossas intenções e que temos reuniões marcadas para sexta-feira [amanhã] com o CGI para apresentar o novo organograma e que enviaremos à ERC os pedidos de exoneração e nomeação de novos diretores", confirmou Nuno Artur Silva.

Sobre os futuros nomes que estão na lista do novo conselho de Administração, impera o silêncio. Contudo, depois de terem sido feitos convites a personalidades externas à RTP - tal como a Notícias TV adiantou em primeira mão na semana passada - as "cinco recusas" que, segundo fontes, a administração terá recebido, fez com que "olhassem para soluções internas". "Na direção de Informação da televisão fala-se num jornalista experiente para assumir a pasta", afirma a mesma fonte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.