Produções Fictícias lançam canal com que sonharam

Televisão. Canal Q arranca segunda-feira entre as 21.45 e as 24.00 na posição 15 do Meo

As Produções Fictícias pensaram no canal e o Meo (televisão da Portugal Telecom) aceitou distribuí-lo, em exclusivo, numa parceria que envolveu a tecnologia da PT Inovação, para o desenvolvimento do video-on-demand. No fundo, a funcionalidade que lhe permite rever todos os conteúdos exibidos pelo canal, gravar e ver quando se quiser, à hora que se quiser.

Esta é uma ideia "inovadora", segundo Zeinal Bava, presidente executivo da PT, que, ontem, defendeu que o canal Q "preconiza tudo o que pode vir a ser a televisão do futuro". Um "projecto importante no panorama do audiovisual", acrescentou, que "aposta na interactividade com o espectador e que dá a oportunidade de o público comunicar com os criadores quase em tempo real".

Já Nuno Artur Silva, fundador das Produções Fictícias, e que pensou na criação de um canal há dez anos, reforça: "O que o Q traz de diferente é a inovação, uma quebra na ideia tradicional de ver televisão, e uma aposta muito forte na gravação on-demand. O espectador tem agora total liberdade para ver os programas que quer e quando quer, sem estar sujeito a horários." Relativamente a valores investidos, nem Produções Fictícias nem PT estiveram disponíveis para os revelar. O canal infantil SIC K, recentemente lançado no Meo, custou cerca de dois milhões de euros e resulta da renovação do contrato da Impresa com a PT.

Com arranque marcado para segunda-feira, na posição 15 do Meo, o canal Q define-se de cultura contemporânea e não apenas humorístico, já que a sua programação passa também por talk shows, magazines, debates e entrevistas, diariamente das 21.45 às 24.00.

E para ter acesso a todo o canal basta clicar no botão OK do comando Meo, e descobrir o mundo Q, constituído por três áreas: Destaques (com cinco destaques semanais da programação), Os Mais Vistos, onde se encontram os cinco vídeos mais vistos da semana, e Programas Recentes, onde se encontram os programas emitidos no dia anterior.

"Vai ter programas ligados ao desporto, à cultura, terá uma rubrica muito interessante chamada Histórias de Vida, que consiste em pequenos documentários sobre pessoas conhecidas e anónimos", destacou Zeinal Bava.

Toda a programação, conteúdos originais, em português e realizados pelas Produções Fictícias (equipa de 25 pessoas, entre directores, criativos, editores, e técnicos de imagem, de som e produção), está acessível ao público 24 horas por dia e sete dias por semana, sem restrições.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.