Mulheres nos Emmy. Quando a cópia supera o original

A trama da TVI está nomeada para os prémios internacionais, o que não aconteceu com a série colombiana em que se baseia. "Jikulumessu" e "Império" também estão na corrida,

A ficção portuguesa volta a estar representada na cerimónia que premeia a melhor ficção televisiva fora dos EUA, os Emmy Internacionais, com a nomeação da trama da TVI Mulheres, que chegou ao fim no mês passado, na categoria de melhor telenovela ao lado de Império (Globo) e Jikulumessu (Semba), que terminaram a sua exibição em Portugal na passada sexta-feira, na SIC e na RTP1, e ainda a espanhola Ciega a Citas.

"Desde que vencemos o primeiro Emmy, e é importante frisar que fomos o primeiro produto português a ganhá-lo, que temos sido nomeados todos os anos, e isto é o melhor testemunho da validade dos nossos produtos. Sistematicamente, somos reconhecidos internacionalmente", afirma Helena Forjaz, diretora de Comunicação Institucional e Corporativa da Media Capital, que detém a TVI.

"É muito importante ter este reconhecimento do nosso trabalho, que desenvolvemos durante muitos meses. Escrever uma novela é dose. São muitos meses sem fins de semana, sem horários, mas ao mesmo tempo é um trabalho espetacular", frisa Eduarda Laia, autora da novela Mulheres e que já é uma especialista nos famosos prémios. "Fui coordenadora de equipa da novela Laços de Sangue, da SIC, que ganhou um Emmy. Depois trabalhei em novelas que tiveram nomeações, Rosa Fogo e Windeck. Felizmente tenho estado envolvida em tão bons projetos", conta.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.