Comitiva portuguesa recebida por directores

Actores e equipa de produção da novela "Meu Amor", que ganhou um Emmy nos Estados Unidos, regressaram ontem a Lisboa.

Os vencedores do Emmy Internacional chegaram ontem de manhã, às 08.40, ao aeroporto da Portela, Lisboa. António Barreira, autor de Meu Amor, Margarida Marinho, protagonista da história premiada, e a equipa de produção - só o actor Paulo Pires ficou mais uns dias em Nova Iorque para programas culturais - eram esperados por João Cotrim Figueiredo, director-geral da TVI e actual director de Programas, e por André Cerqueira, agora apenas dedicado à direcção da produtora Plural.

Em manhã de festa, este responsável congratulou-se pelo galardão trazido para Portugal e aponta baterias a quem não celebrou o feito. "Em vez de estarmos a comemorar, estamos a perguntar se a novela é bem feita ou não. Como povo, temos de estar felizes com o que alcançámos", recomendou André Cerqueira. E aproveitou para deixar uma farpa à concorrência, lembrando que não quer que "Portugal ganhe um prémio porque vai fazer um remake da TV Globo". "Temos de nos orgulhar da nossa ficção e não imitar ninguém", disse.

O ex-responsável pela programação da TVI garantiu que "não se trata de uma crítica à SIC", mas antes de "um elogio ao que se faz em Portugal e a um autor que, sem copiar ninguém, escreveu uma história e a assinou", relembrando que até há pouco tempo os guionistas da Casa da Criação não podiam requerer autoria.
Na hora da chegada, Margarida Marinho enalteceu a importância do galardão e justificou a vitória: "O júri valorizou a interpretação, a realização, o enquadramento técnico e afirmou que já estávamos num patamar muito avançado."

Resta saber que destino terá o prémio conquistado. "Agora vai andar por aí a passear", brincou o autor da trama da TVI, António Barreira, enquanto via o Emmy passar de mão em mão. Paralelamente, o administrador Bernardo Bairrão já tinha adiantado ao DN que o destino do galardão estava assegurado: "Vai para as instalações do canal, em Queluz de Baixo, e depois deverá ser levado para um dos estúdios da produtora Plural, é lá que pertence."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.