Comitiva de 'Laços de Sangue' feliz à chegada a Lisboa

Diogo Morgado, Diana Chaves, Luís Marques e Pedro Lopes não esconderam o orgulho por terem trazido para Portugal o Emmy na categoria de Melhor Telenovela.

Foi por volta das 6.30 de hoje que a comitiva da novela Laços de Sangue, galardoada com um Emmy na noite de segunda-feira, desembarcou no aeroporto de Lisboa. O sorriso estava estampado nos rostos de Diogo Morgado, Diana Chaves, Luís Marques (director da SIC) e Pedro Lopes (autor da novela), que não hesitaram em posar para as objectivas com a estatueta dourada na mão.

A protagonista da trama revelou o que sentiu na altura em que percebeu que a ficção portuguesa tinha sido, pelo segundo ano consecutivo, brindada com um Emmy. "Foi giro. Não estavamos à espera porque no ano passado Portugal já tinha ganho e é um sentimento tipicamente português. Até demorámos algum tempo a reagir quando ouvimos o nome 'Laços de Sangue'. Foi super emocionante", salientou Diana Chaves.

O actor Diogo Morgado, que na trama assinada por Pedro Lopes interpretou o médico João, também ficou surpreendido com a conquista do prémio. "Foi mais do que especial até porque não estava mesmo à espera de ganhar. E foi bom porque quando o nome foi anunciado, ficámos doidos", frisou, visivelmente satisfeito.

Já o autor de Laços de Sangue confessou no aeroporto da Portela que viajou para Nova Iorque com "grandes expectativas" de vir a ganhar o troféu, o que veio mesmo a acontecer. O director da SIC, Luís Marques, também manifestou a sua alegria pelo facto de a ficção da SIC, em co-produção com a Globo, ter trazido mais um Emmy para o nosso País.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".