Cavaco felicita equipa de "Meu Amor"

(COM VÍDEOS) O presidente da República, Cavaco Silva, enviou uma mensagem de parabéns à equipa de novela "Meu Amor", que ganhou na madrugada de terça-feira, em Nova Iorque, um Emmy Internacional.

"Aceitem os meus parabéns e os desejos sinceros de muitas felicidades
pessoais e profissionais", diz a mensagem de cavaco Silva, em que o presidente saúda o autor, o elenco e as equipas de realização e produção de "Meu Amor".

A novela protagonizada por Alexandra Lencastre, Margarida Marinho, Rita Pereira e Paulo Pires teve a primeira nomeação para Portugal e ganhou a estatueta. A viagem a Nova Iorque valeu a pena. Os actores deslocaram-se aos Estados Unidos para assistir à cerimónia de entrega dos Emmy Internacionais, que se realizou esta madrugada, e de lá virão com uma estatueta nas mãos. A história da autoria de António Barreira, que também viajou até Nova Iorque, ganhou o prémio de melhor telenovela.

"Este é um marco notável no percurso da ficção nacional e, mais especificamente, um marco na história da TVI e da Plural. É para todos nós um motivo de grande orgulho e um importante incentivo para continuarmos a inovar neste campo. Toda a equipa de 'Meu Amor' está de parabéns", reage o director geral da TVI, João Cotrim de Figueiredo.

Amanhã,  a segunda parte do programa da manhã "Você na TV", será dedicada a este prémio, com a presença de actores como, Núria Madruga, Márcia Breia, Ana Catarina, e Isabel Medina. Estará também presente o autor da banda sonora da novela, José Cid.

"Meu Amor" derrotou "Ciegas e Citas", da Argentina, e "Dahil May Isang Ikaw", das Filipinas. A lista completa dos nomeados e vencedores está nos site oficial dos Emmy Internacionais (http://www.iemmys.tv).

Também conhecida das novelas, mas da Globo, Lília Cabral estava nomeada para melhor actriz dramática pelo seu papel em "Viver a Vida", mas perdeu para Helena Boham Carter. Bob Hoskins foi eleito o melhor actor.

A 38.ª edição destes troféus atribuiu dois prémios honorários: um a Simon Cowell, jurado do programa "American Idol", pelo seu trabalho a descobrir talentos; e outro a Lorne Michaels, criador e produtor de "Saturday Night Live".

Veja a reacção dos actores ao prémio:


Excertos da telenovela "Meu Amor":


Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.