Canal Q passa a emitir 15 horas por dia

O canal Q vai começar a emitir 15 horas de programação por dia e vai duplicar o número de programas na sua grelha, revelou hoje o diretor das Produções Fictícias, empresa responsável pelo canal.

Nuno Artur Silva apresentou hoje em Lisboa um balanço dos primeiros seis meses de actividade do canal Q e apresentou a nova grelha de programas, que entra em vigor a 29 de Setembro.

A maior novidade prende-se com o alargar da emissão, que até agora era entre as 21:45 e as 24:00, para 15 horas diárias de conteúdos, entre as 12:00 e as 03:00.

Outra novidade passa pela duplicação do número de programas, de 15 para 30.

O director das Produções Fictícias fez um balanço positivo dos primeiros seis meses de vida do canal Q, e mesmo reconhecendo que "seis meses na vida de um canal de televisão não é nada", reconhece a existência de "boas pistas" para perceber o rumo futuro do canal.

O canal Q, disponível apenas na operadora Meo, emite em simultâneo para "cerca de cinco mil pessoas", numa média de 35 mil pessoas "que tomam contacto com o canal" por noite, avançaram hoje os responsáveis.

Os números do serviço 'on demand' foram destacados por Nuno Artur Silva, que diz que os cerca de 100 mil vídeos vistos demonstram que "todo o horário é horário nobre", com o espectador a ver "o que quer quando quer".

Algumas das novidades da grelha de programas do canal Q são "Show Markl", talk show conduzido por Nuno Markl, "Vem ao Q", um espaço diário de crónica com nomes como Clara Ferreira Alves, Rui Tavares ou Guta Moura Guedes, "Mudança de Voz", com o comediante Luís Franco-Bastos, ou "O que fica do que passa", que contará com comentários de Pedro Mexia, um dos novos reforços do canal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.