'Bairro Alto' deixa de ser palco de conversas ao domingo

O emblemático espaço de conversas, conduzido por José Fialho Gouveia na RTP2, termina ao fim de cinco anos e meio. Apresentador faz balanço positivo e lamenta não ter conseguido conversar com Bernardo Sassetti

Artistas, ensaístas, cientistas, gente da moda e do espectáculo, gente do pensamento e da acção. O leque de convidados, 219 no total, do talk show Bairro Alto, exibido na RTP2, ao longo dos últimos cinco anos e meio foi vasto. Este domingo será exibido o último programa que terá como convidado o realizador Miguel Gonçalves Mendes.

Contactado pelo DN, José Fialho Gouveia sublinha que o balanço é claramente positivo. "Quando recebi o convite para fazer este programa nunca tinha pensado fazer televisão. Foi um convite inesperado que aceitei sem hesitar. O Bairro Alto fez-me crescer imenso, conheci muitas pessoas e algumas delas tornaram-se minha amigas", revela.

O apresentador não refere qual foi o convidado de quem mais gostou, mas confidencia que houve uma personalidade portuguesa que não conseguiu levar ao programa. "Tive uma pessoa na minha lista durante muito tempo, mas não consegui convidá-lo a tempo. Foi o Bernardo Sassetti", conta.

O apresentador aproveitou ainda para deixar agradecimentos na sua página de Facebook a Paula Moura Pinheiro e a Jorge Wemans pelo convite que fizeram e a Frederico Wiborg, o produtor do programa. Sobre o motivo de o programa ter chegado ao fim, o jornalista adianta que foi uma decisão da direção da estação pública que foi encarada com "tranquilidade".

Para já, José Fialho Gouveia vai tirar férias para descansar, não tendo ainda nenhum projeto em vista. "Ainda não sei o que vou fazer. Tenho algumas ideias na área da escrita e do jornalismo. Regressar à televisão vai depender da proposta que surgir".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.