África e Ásia já negoceiam compra da novela premiada

Com vitória inédita nos Emmy, a ficção nacional ganha impulso nas exportações

A primeira nomeação para um Emmy (os Oscares da televisão) rendeu logo a Portugal, e em particular à TVI, uma primeira vitória. Meu Amor chegou, arrebatou o Emmy Internacional na categoria de melhor telenovela e ganhou valorização comercial. O administrador da TVI Bernardo Bairrão, que esteve presente na gala de entrega dos prémios norte-americanos na segunda-feira à noite, conta que foi "contactado por compradores assim que terminou a conferência de imprensa dada pelos vencedores dos Emmy". "Os Estados Unidos, vários países africanos e asiáticos mostraram-se interessados, casos da Coreia do Sul e também a África do Sul. Este prémio permite abrir novos mercados", diz Bernardo Bairrão ao DN.

Margarida Vitório Pereira, responsável pelas aquisições internacionais do canal, adianta que a novela galardoada vai estar disponível para ser comercializada já em Janeiro, na Feira Internacional de Televisão, a NAPTE, que vai decorrer em Miami, Estados Unidos.

A directora de compras revela que "um episódio pode custar entre os 100 e os 12 mil dólares" e que há três razões que fazem o valor oscilar. "Cada país comprador tem um preço que depende da riqueza, da concorrência e do mercado publicitário", explica. Assegura ainda que a TVI já negociou nos valores acima apresentados. A comercialização de produtos de ficção não é uma novidade no canal e na produtora Plural porque já foram vendidas mais de 25 produções e os principais interessados, segundo dados da TVI, têm sido "os canais hispânicos nos Estados Unidos, Chile, Venezuela, México, Uruguai, Peru, Bulgária, Hungria, Angola e Moçambique, Vietname e Indonésia".

Para os actores de Meu Amor, este Emmy eleva a fasquia. "Esta vitória vai contribuir para uma mudança na ficção nacional", espera Paulo Pires. Margarida Marinho, protagonista da história, diz que "é altura de bater palmas à ficção portuguesa". Já o autor, António Barreira, acredita que "o mundo vai estar mais atento ao que se faz em Portugal."

Em dia de vitória, até o Presidente da República felicitou a TVI pelo prémio, elogiando o trabalho que "ao longo de anos, muitos anos, tem sido feito (...) na produção nacional".

José Eduardo Moniz, ex-director-geral da estação, também se congratulou. "É um prémio para um percurso da produção em português - em que participei, com muito orgulho - e que mostra resultados de excepção", declara.

O administrador da TVI apela às instituições nacionais e espera que o Emmy "possa acelerar o projecto da Cidade do Cinema, para Sintra, que há ano e meio anda por corredores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.