África e Ásia já negoceiam compra da novela premiada

Com vitória inédita nos Emmy, a ficção nacional ganha impulso nas exportações

A primeira nomeação para um Emmy (os Oscares da televisão) rendeu logo a Portugal, e em particular à TVI, uma primeira vitória. Meu Amor chegou, arrebatou o Emmy Internacional na categoria de melhor telenovela e ganhou valorização comercial. O administrador da TVI Bernardo Bairrão, que esteve presente na gala de entrega dos prémios norte-americanos na segunda-feira à noite, conta que foi "contactado por compradores assim que terminou a conferência de imprensa dada pelos vencedores dos Emmy". "Os Estados Unidos, vários países africanos e asiáticos mostraram-se interessados, casos da Coreia do Sul e também a África do Sul. Este prémio permite abrir novos mercados", diz Bernardo Bairrão ao DN.

Margarida Vitório Pereira, responsável pelas aquisições internacionais do canal, adianta que a novela galardoada vai estar disponível para ser comercializada já em Janeiro, na Feira Internacional de Televisão, a NAPTE, que vai decorrer em Miami, Estados Unidos.

A directora de compras revela que "um episódio pode custar entre os 100 e os 12 mil dólares" e que há três razões que fazem o valor oscilar. "Cada país comprador tem um preço que depende da riqueza, da concorrência e do mercado publicitário", explica. Assegura ainda que a TVI já negociou nos valores acima apresentados. A comercialização de produtos de ficção não é uma novidade no canal e na produtora Plural porque já foram vendidas mais de 25 produções e os principais interessados, segundo dados da TVI, têm sido "os canais hispânicos nos Estados Unidos, Chile, Venezuela, México, Uruguai, Peru, Bulgária, Hungria, Angola e Moçambique, Vietname e Indonésia".

Para os actores de Meu Amor, este Emmy eleva a fasquia. "Esta vitória vai contribuir para uma mudança na ficção nacional", espera Paulo Pires. Margarida Marinho, protagonista da história, diz que "é altura de bater palmas à ficção portuguesa". Já o autor, António Barreira, acredita que "o mundo vai estar mais atento ao que se faz em Portugal."

Em dia de vitória, até o Presidente da República felicitou a TVI pelo prémio, elogiando o trabalho que "ao longo de anos, muitos anos, tem sido feito (...) na produção nacional".

José Eduardo Moniz, ex-director-geral da estação, também se congratulou. "É um prémio para um percurso da produção em português - em que participei, com muito orgulho - e que mostra resultados de excepção", declara.

O administrador da TVI apela às instituições nacionais e espera que o Emmy "possa acelerar o projecto da Cidade do Cinema, para Sintra, que há ano e meio anda por corredores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.