"A TVI está a afundar as suas próprias novelas"

O ex-diretor-geral de Queluz de Baixo lamenta rumo dado à ficção na TVI e com o iminente fim de 'Morangos com Açúcar'

O antigo diretor-geral da TVI, que esteve à frente da estação durante 11 anos, criticou duramente o panorama atual da produção de ficção. "A TVI está a afundar as suas próprias novelas. A TVI lançou as novelas portuguesas e está a colocá-las num funil que, a prazo, vai conduzir as produções a uma situação extremamente difícil, no sentido da qualidade da produção, das próprias histórias, na forma como o conjunto das opções é definido", explica José Eduardo Moniz, que considera desadequadas as "opções na lógica de programação, dos conteúdos e no modelo de produção".

"A televisão portuguesa está paupérrima. Está tudo a nivelar-se pelo menor denominador comum. Acho que se perdeu criatividade e se desperdiçam ideias. As audiências são baixas devido à ausência de atrevimento na televisão. E as televisões, elas próprias, não estão a renovar-se, a rejuvenescer", afirma o atual vice-presidente da Ongoing.

Apesar de ainda não ter sido confirmado oficialmente por José Fragoso, atual diretor de Programas da TVI, o fim da série juvenil Morangos com Açúcar é contestado por Moniz: "Acho lamentável que isso aconteça. Perde-se um grande laboratório e um grande mundo de oportunidades". E acrescentou, contestando que a ideia do formato esteja ultrapassado: "As visões economicistas nem sempre são as mais bem-sucedidas ou as mais úteis".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.