Pingo Doce com notoriedade no máximo apesar das críticas

Um dos anúncios mais irritantes do ano, para muitos críticos, é, de acordo com estudo da GfK, o preferido de 70% dos consumidores

"Falem bem ou mal, o importante é que falem de mim." Esta foi a reacção da agência de publicidade Duda Portugal, quando, em finais de Outubro, rebentou a polémica em torno do anúncio do Pingo Doce, acusado de estar cheio de clichés e um jingle irritante. Na altura, as críticas surgiram no Facebook com o movimento denominado "Gente que não grama o anúncio do Pingo Doce do Duda", com os jornais e televisões a darem conta da mesma, mas agora, passados quase dois meses, graças ao estudo da GfK para o Briefing, a agência destaca: "70% das pessoas que conheciam a publicidade do Pingo Doce preferem a actual", contra os apenas 2,6% que consideraram o spot desagradável. A declaração é de Ricardo Braga, director criativo da Duda Portugal, extensão da agência criada por Duda Mendonça, responsável pelo marketing político na eleição de Lula da Silva, em 2002.

De acordo com o mesmo estudo, a música é apontada como o factor mais memorável do spot , referido por quase 40% dos entrevistados. Do total de 1287 entrevistas, 625 pessoas (363 mulheres e 262 homens) recordam ver o recente anúncio do Pingo Doce. Depois, dos 69% que também se recordam da campanha anterior, 70% dizem preferir o actual anúncio (73% homens e 68% mulheres).

Quando é pedida uma descrição do actual anúncio, 38% referem a música, sendo que 9% apontam o facto de os compradores dizerem a frase "o nome mantém-se e os preços baixos também", 7% recordam-se dos empregados que chamam os clientes ("Venha cá") e 2,4% referem os empregados que dizem: "Os preços são sempre baixos e de qualidade." Cerca de 15% dos inquiridos fazem referência aos preços baixos e apenas 2% se referem à imagem de marca. Já o slogan "O sítio do costume" ficou para trás nas referências, com apenas 0,5%.

O estudo realizou-se de 13 a 23 de Novembro numa amostra de 1287 indivíduos de ambos os sexos, com 18 ou mais anos de idade, residentes em Portugal Continental.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG