Renascença pondera sair do Chiado para a Buraca

O Grupo que detém as rádios Renascença, RFM, Mega Hits e Sim, procura um espaço mais funcional

O Grupo R/Com assinou há cerca de duas semanas um contrato promessa de compra e venda do edifício, situado na Rua Ivens, no Chiado. Contactada pelo DN, a administração do grupo, que detém a Renascença, a Mega Hits, a RFM e a SIM, recusou-se a fazer comentários sobre este assunto.

A realizar-se, a venda apenas poderá concretizar-se daqui a dois anos. "Foi assinado foi um contrato promessa de compra e venda. Até ser efetivamente vendido, o processo pode demorar vários meses. Só dentro de dois anos é que poderá vir a realizar-se a venda efetiva", revelou ao DN fonte próxima da emissora católica.

Na origem da decisão do Grupo R/Com em ponderar abandonar os estúdios onde se encontra atualmente estão questões de funcionalidade. "Ainda que seja um edifício excelente e com um valor simbólico muito grande, tem também algumas limitações", revela a mesma fonte.

Apesar de a venda do edifício da Renascença, a acontecer, apenas poder realizar-se no espaço de dois anos, já existem algumas opções em cima da mesa para as futuras instalações deste grupo de media. Ao que o DN conseguiu apurar junto de uma outra fonte, uma das hipóteses é a passagem para uma quinta pertencente a um grupo religioso e situada na Buraca, concelho da Amadora.

Leia mais na edição impressa do DN ou no e-paper

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG