Renascença pondera sair do Chiado para a Buraca

O Grupo que detém as rádios Renascença, RFM, Mega Hits e Sim, procura um espaço mais funcional

O Grupo R/Com assinou há cerca de duas semanas um contrato promessa de compra e venda do edifício, situado na Rua Ivens, no Chiado. Contactada pelo DN, a administração do grupo, que detém a Renascença, a Mega Hits, a RFM e a SIM, recusou-se a fazer comentários sobre este assunto.

A realizar-se, a venda apenas poderá concretizar-se daqui a dois anos. "Foi assinado foi um contrato promessa de compra e venda. Até ser efetivamente vendido, o processo pode demorar vários meses. Só dentro de dois anos é que poderá vir a realizar-se a venda efetiva", revelou ao DN fonte próxima da emissora católica.

Na origem da decisão do Grupo R/Com em ponderar abandonar os estúdios onde se encontra atualmente estão questões de funcionalidade. "Ainda que seja um edifício excelente e com um valor simbólico muito grande, tem também algumas limitações", revela a mesma fonte.

Apesar de a venda do edifício da Renascença, a acontecer, apenas poder realizar-se no espaço de dois anos, já existem algumas opções em cima da mesa para as futuras instalações deste grupo de media. Ao que o DN conseguiu apurar junto de uma outra fonte, uma das hipóteses é a passagem para uma quinta pertencente a um grupo religioso e situada na Buraca, concelho da Amadora.

Leia mais na edição impressa do DN ou no e-paper

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.