Renascença pondera sair do Chiado para a Buraca

O Grupo que detém as rádios Renascença, RFM, Mega Hits e Sim, procura um espaço mais funcional

O Grupo R/Com assinou há cerca de duas semanas um contrato promessa de compra e venda do edifício, situado na Rua Ivens, no Chiado. Contactada pelo DN, a administração do grupo, que detém a Renascença, a Mega Hits, a RFM e a SIM, recusou-se a fazer comentários sobre este assunto.

A realizar-se, a venda apenas poderá concretizar-se daqui a dois anos. "Foi assinado foi um contrato promessa de compra e venda. Até ser efetivamente vendido, o processo pode demorar vários meses. Só dentro de dois anos é que poderá vir a realizar-se a venda efetiva", revelou ao DN fonte próxima da emissora católica.

Na origem da decisão do Grupo R/Com em ponderar abandonar os estúdios onde se encontra atualmente estão questões de funcionalidade. "Ainda que seja um edifício excelente e com um valor simbólico muito grande, tem também algumas limitações", revela a mesma fonte.

Apesar de a venda do edifício da Renascença, a acontecer, apenas poder realizar-se no espaço de dois anos, já existem algumas opções em cima da mesa para as futuras instalações deste grupo de media. Ao que o DN conseguiu apurar junto de uma outra fonte, uma das hipóteses é a passagem para uma quinta pertencente a um grupo religioso e situada na Buraca, concelho da Amadora.

Leia mais na edição impressa do DN ou no e-paper

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...