Jornalista do Congo vence Prémio Príncipe das Astúrias

Caddy Adzuba foi hoje galardoada com o prémio da Concórdia como símbolo da luta pacífica contra a violência que afeta as mulheres, a pobreza e a discriminação. Adzuba está sob ameaça de morte desde 2002

Na ata o júri do galardão, dado hoje a conhecer em Oviedo, destaca o trabalho "arriscado e generoso" de Adzuba que nasceu em Bukavu, República Democrática do Congo, em 1981.

Atual jornalista da Radio Okapi (rádio da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Congo-MONUSCO), Adzuba está sob ameaça de morte desde 2002, quando denunciou a violência sexual de que as mulheres do seu país são alvo desde 1996.

Já por duas vezes foi alvo de ataques e está atualmente sob proteção das Nações Unidas.

Reconhecida ativista da liberdade de imprensa, da reconstrução da paz e dos direitos humanos, Adbuza usa o jornalista para denunciar torturas e violações contra mulheres e crianças do seu país.

O prémio da Concórdia é o último dos oito galardões da edição deste ano dos Prémios Príncipes das Astúrias.

Já foram galardoados o arquiteto norte-americano Frank O. Gehry (Artes), o historiador francês Joseph Pérez (Ciências Sociais) e o humorista gráfico argentino espanhol Joaquín Salvador Lavado Tejón, Quino (Comunicação e Humanidades).

Com o prémio de Investigação Científica foram ainda reconhecidos este ano o químico espanhol Avelino Corma Canós e os norte-americanos Mark E. Davis e Galen D. Stucky.

O escritor irlandês John Banville (Letras), o Programa Fulbright de intercâmbio educativo e cultural (Cooperação Internacional) e a Maratona de Nova (Desporto) foram os restantes galardoados.

Os prémios estão dotados com uma escultura de Joan Miró, 50 mil euros e um diploma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.