'Jornal Digital' permite personalizar conteúdos

A rede social acaba de lançar o 'Paper', uma nova aplicação, que dá a possibilidade aos utilizadores de visualizarem as notícias por secções

Paper - Stories from Facebook (em tradução livre, Histórias do Facebook) é o nome com que foi batizado este "leitor de notícias", que permite aos internautas selecionar os conteúdos do Facebook que querem ver, por secções, tal como se se tratasse de um jornal digital.

Em vésperas do seu 10.º aniversário, celebrado esta terça-feira, a rede social quis mostrar a sua crescente aposta nos dispositivos móveis, e lançou o Paper, que está apenas disponível (por enquanto) para smartphones e tablets com sistema operativo iOS, nos EUA.

Mas, menos de 24 horas após ser lançada, a nova aplicação já está a gerar controvérsia. Em causa está o nome, Paper, que pertencia já a outra aplicação disponível na App Store, desde 2012: o Paper da empresa Fifty Three.

Executivo da empresa, Georg Petschnigg, já veio a público criticar a escolha do nome Paper para a nova aplicação do Facebook, tendo pedido à rede social para "deixar de usar" a sua marca. "Pedimos, por escrito, que deixassem de usar o nome. Mas a resposta deles foi que pediam desculpa por não nos avisarem antes, mas que iriam continuar a lançar o produto", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.