Sinergias na RTP prejudicam serviço público de rádio

Os jornalistas da Rádio Pública reuniram-se hoje em plenário onde concluíram que o Serviço Público de Rádio tem sido sucessivamente prejudicado pelas sinergias na RTP - Rádio e Televisão de Portugal, na sequência da reestruturação em curso.

Segundo os jornalistas reunidos hoje em plenário "não tem sido assegurada a excelência de conteúdos a que a Rádio Pública habituou os ouvintes".

"Há uma linguagem, uma dinâmica e um tempo próprios na rádio, que têm de ser respeitados em absoluto pelos responsáveis editoriais e pela Administração da empresa", informam em comunicado enviado hoje para as redações.

Sublinhando que "não aceitam ser sujeitos a amadorismo", garantem que "os jornalistas da Rádio não estão disponíveis para aceitar tarefas para as quais não tenham formação".

Referem também que "a reestruturação em curso pressupõe ainda uma mudança física da redação da Rádio em Lisboa, aproximando-a da redação da Televisão".

Finalizam advertindo que "os jornalistas estão determinados em defender até às últimas consequências o Serviço Público de Rádio sempre que o mesmo estiver em causa".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.