Sinergias na RTP prejudicam serviço público de rádio

Os jornalistas da Rádio Pública reuniram-se hoje em plenário onde concluíram que o Serviço Público de Rádio tem sido sucessivamente prejudicado pelas sinergias na RTP - Rádio e Televisão de Portugal, na sequência da reestruturação em curso.

Segundo os jornalistas reunidos hoje em plenário "não tem sido assegurada a excelência de conteúdos a que a Rádio Pública habituou os ouvintes".

"Há uma linguagem, uma dinâmica e um tempo próprios na rádio, que têm de ser respeitados em absoluto pelos responsáveis editoriais e pela Administração da empresa", informam em comunicado enviado hoje para as redações.

Sublinhando que "não aceitam ser sujeitos a amadorismo", garantem que "os jornalistas da Rádio não estão disponíveis para aceitar tarefas para as quais não tenham formação".

Referem também que "a reestruturação em curso pressupõe ainda uma mudança física da redação da Rádio em Lisboa, aproximando-a da redação da Televisão".

Finalizam advertindo que "os jornalistas estão determinados em defender até às últimas consequências o Serviço Público de Rádio sempre que o mesmo estiver em causa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.