Sinergias na RTP prejudicam serviço público de rádio

Os jornalistas da Rádio Pública reuniram-se hoje em plenário onde concluíram que o Serviço Público de Rádio tem sido sucessivamente prejudicado pelas sinergias na RTP - Rádio e Televisão de Portugal, na sequência da reestruturação em curso.

Segundo os jornalistas reunidos hoje em plenário "não tem sido assegurada a excelência de conteúdos a que a Rádio Pública habituou os ouvintes".

"Há uma linguagem, uma dinâmica e um tempo próprios na rádio, que têm de ser respeitados em absoluto pelos responsáveis editoriais e pela Administração da empresa", informam em comunicado enviado hoje para as redações.

Sublinhando que "não aceitam ser sujeitos a amadorismo", garantem que "os jornalistas da Rádio não estão disponíveis para aceitar tarefas para as quais não tenham formação".

Referem também que "a reestruturação em curso pressupõe ainda uma mudança física da redação da Rádio em Lisboa, aproximando-a da redação da Televisão".

Finalizam advertindo que "os jornalistas estão determinados em defender até às últimas consequências o Serviço Público de Rádio sempre que o mesmo estiver em causa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.