Prisa terá de vender participação na Media Capital para refinanciamento

O grupo de comunicação espanhol Prisa terá de vender uma participação minoritária na Media Capital como pré-condição para o plano de refinanciamento de que necessita, informou hoje a empresa à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV).

Na nota ao regulador, a empresa refere que uma das condições para concluir o plano foi "que a Prisa assinou um acordo de termos (term sheet) para a venda de uma participação minoritária na Media Capital ou nomeou um Banco de Investimento para fazer uma venda pública dessa participação".

A Prisa não revela a percentagem da participação minoritária que terá que vender.

Além desta condição, o acordo de refinanciamento obriga ainda a um aumento de capital de "pelo menos" 450 milhões de euros, até 30 de Julho, bem como à aplicação dos fundos precedentes no desinvestimento na sua empresa editorial, a Santillana, "nos termos acordados com os bancos".

Em causa está o processo de extensão do prazo de vencimento do "empréstimo ponte" assinado pela Prisa até 30 de Julho de 2010, e posterior "prorrogação automática até 19 de maio de 2013".

Em Fevereiro a Prisa anunciou um "acordo de princípio" com os seus bancos credores para alargar até 2013 um "empréstimo ponte" de 1950 milhões de euros.

Trata-se do alargamento do empréstimo assinado a 20 de Dezembro de 2007, envolvendo as entidades financeiras HSBC, Santander, Banesto, Caja Madrid, La Caixa, BNP Parabis e Natixis.

O empréstimo tinha já sido alargado uma primeira vez, até 31 de Março último, tendo sido prorrogado depois de a Prisa implementar um processo de desinvestimentos que inclui a venda de uma parte do capital da Media Capital, dona da TVI.

Este novo alargamento insere-se, segundo explica a Prisa, no processo de reestruturação da dívida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.