Prisa terá de vender participação na Media Capital para refinanciamento

O grupo de comunicação espanhol Prisa terá de vender uma participação minoritária na Media Capital como pré-condição para o plano de refinanciamento de que necessita, informou hoje a empresa à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV).

Na nota ao regulador, a empresa refere que uma das condições para concluir o plano foi "que a Prisa assinou um acordo de termos (term sheet) para a venda de uma participação minoritária na Media Capital ou nomeou um Banco de Investimento para fazer uma venda pública dessa participação".

A Prisa não revela a percentagem da participação minoritária que terá que vender.

Além desta condição, o acordo de refinanciamento obriga ainda a um aumento de capital de "pelo menos" 450 milhões de euros, até 30 de Julho, bem como à aplicação dos fundos precedentes no desinvestimento na sua empresa editorial, a Santillana, "nos termos acordados com os bancos".

Em causa está o processo de extensão do prazo de vencimento do "empréstimo ponte" assinado pela Prisa até 30 de Julho de 2010, e posterior "prorrogação automática até 19 de maio de 2013".

Em Fevereiro a Prisa anunciou um "acordo de princípio" com os seus bancos credores para alargar até 2013 um "empréstimo ponte" de 1950 milhões de euros.

Trata-se do alargamento do empréstimo assinado a 20 de Dezembro de 2007, envolvendo as entidades financeiras HSBC, Santander, Banesto, Caja Madrid, La Caixa, BNP Parabis e Natixis.

O empréstimo tinha já sido alargado uma primeira vez, até 31 de Março último, tendo sido prorrogado depois de a Prisa implementar um processo de desinvestimentos que inclui a venda de uma parte do capital da Media Capital, dona da TVI.

Este novo alargamento insere-se, segundo explica a Prisa, no processo de reestruturação da dívida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...