Prisa anuncia fusão da sua televisão com a Telecinco

A Prisa anunciou hoje um acordo para a integração do seu canal de televisão, a Cuatro, com a Telecinco e para uma participação de 22 por cento desta na sua plataforma de televisão paga, a Digital Plus.

@page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm }

Em comunicado enviado hoje à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, a Prisa explica que no contrato assinado na quarta feira se estabelece que a Telecinco proceda a uma ampliação de capital de 500 milhões de euros, equivalente a 18,33 por cento do seu capital social.

Desta forma, e com base no acordo subscrito, a Prisa receberá directamente ou através de qualquer das suas filiais, acções da nova emissão de títulos da Telecinco e 491,1 milhões de euros em dinheiro.

A Telecinco é uma empresa controlada maioritariamente pelo grupo Mediaset (52%), propriedade de Sílvio Berlusconi, o primeiro ministro italiano. A Vocento controla 13 por cento e o restante capital está nas mãos de vários acionistas minoritários.

O fecho da operação agora anunciada continua sujeita a várias condições, incluindo a aprovação por parte do regulador e das autoridades de concorrência.


Entre as cadeias nacionais espanholas, a Telecinco ocupa o segundo lugar em audiências (atrás da TVE) com um share de 14,8% em Fevereiro. A Cuatro é a quarta mais vista com um share de 7,4%.



Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.