"O estado a que o Estado chegou" no 2.º lugar do top

O livro "O estado a que o Estado chegou", que reproduz a Grande Investigação publicada no DN entre 7 e 14 de Janeiro, atingiu ontem o segundo lugar nas tabelas de vendas da cadeia de livrarias da FNAC.

Ao mesmo tempo, a editora Gradiva anunciou que iria fazer uma segunda edição para corresponder aos pedidos das livrarias.

Duas situações que confirmam o gigantesco interesse demonstrado pelos leitores do jornal durante o período de publicação, a que se juntaram muitos outros na edição on-line, interessados nos números sistematizados e investigados em dezenas de páginas sobre os gastos do Estado.

A equipa de seis jornalistas que constituiu o gabinete da Grande Investigação revelou durante uma semana os valores das derrapagens da despesa pública provocadas por centenas de institutos, empresas e parcerias público-privadas, entre muitos outros números sobre o peso do Estado na economia nacional.

O livro "O estado a que o Estado chegou" conta ainda com várias matérias extras para o leitor, como é o caso do debate final na sua totalidade, no qual participaram o ex-ministro das Finanças Miguel Cadilhe, o juiz jubilado Carlos Moreno e os professores Lebre de Freitas e Álvaro Santos Pereira.

A abrir as 200 páginas do livro, editado numa colaboração inédita entre o DN e a Gradiva, está um prefácio escrito de propósito para este volume. De autoria do presidente do Tribunal de Contas, onde Guilherme d"Oliveira Martins faz, para além de uma apreciação da Grande Investigação e da informação que recolheu, um balanço da realidade nacional.

O livro encontra-se à venda em todas as livrarias do país e lojas do DN, ao preço de 13 euros.

Exclusivos