'New York Times' alvo de piratas informáticos chineses

Piratas informáticos alegadamente com ligação ao governo chinês atacaram os sistemas informáticos do 'New York Times', apoderando-se de algumas palavras passe, declarou o jornal na quarta-feira.

Os ataques foram registados depois de o jornal norte-americano ter publicado a 25 de outubro um artigo baseado em investigações sobre a fortuna da família do primeiro-ministro Wen Jiabao, e no qual revela os milhões de dólares conseguidos pelos familiares dos políticos por via dos negócios, noticiou a AFP.

O New York Times declarou que conseguiu acabar com os ataques informáticos e que tomou medidas contra eventuais novas invasões com a ajuda de um perito em segurança informática.

"Os 'hackers' chineses utilizaram métodos que os consultores associaram aos usados pelo exército chinês no passado para entrar na rede do Times", declarou o jornal, citando provas recolhidas pelos especialistas em segurança contratados para o efeito.

Eles capturaram e-mails e documentos através do acesso às contas de correio eletrónico do chefe do escritório em Xangai David Barboza, que escreveu o artigo sobre a fortuna da família de Wen Jiabao, e do antigo chefe do escritório de Pequim, Jim Yardley, que é atualmente o chefe da sede do Sul da Ásia, na Índia.

"Eles conseguiram causar estragos nos nossos sistemas", disse o responsável de comunicação, Marc Frons.

O ministro da Defesa chinês desmentiu qualquer ligação entre as intrusões no sistema informático do 'New York Times' e o seu governo.

Em contrapartida, disse que o jornal acusou o exército de lançar ataques cibernéticos sem provas, numa atitude que descreveu como não profissional e sem fundamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?