Morreu o jornalista Artur Agostinho

O jornalista Artur Agostinho morreu hoje, com 90 anos de idade, depois de uma vida repleta de êxitos na comunicação social, na qual se destacou pelo seu trabalho na área do jornalismo desportivo.

Artur Agostinho morreu hoje no Serviço de Urgência do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado há uma semana. Segundo fonte da administração do jornal "Record" em declarações à agência Lusa, a causa da morte não está determinada e pondera-se fazer uma autópsia.

Artur Agostinho ganhou fama pelos seus relatos de jogos de futebol, na Emissora Nacional, e passou depois pela Rádio Renascença. Dirigiu o jornal "Record" e também o "Jornal do Sporting". Manteve sempre a ligação ao "Record" enquanto colunista. Hoje, em obituário, o jornal destaca a forma expressiva -- "um marco na história da rádio em Portugal" -- como o radialista relatava os golos: "É gooooooloooooo!"

O jornal criou ainda, em 2005, o Prémio Artur Agostinho, destinado a homenagear personalidades do mundo do desporto, como José Mourinho (2010), Luís Figo (2009), Cristiano Ronaldo (2008) e Luís Felipe Scolari (2006).

Três dias depois de completar 90 anos, Artur Agostinho foi agraciado pelo Presidente da República com a Comenda da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, num dia que classificou como "um dos mais felizes" da sua vida. "Realmente foi um dos dias mais felizes da minha vida, felicidade, emoção, alegria, todas as coisas boas da vida me aconteceram hoje", disse na altura à Lusa. "Não tenho reclamações a fazer", gracejou Artur Agostinho, referindo-se ao privilégio de trabalhar naquilo de que gostava.

Construiu ainda uma carreira como actor, participando em filmes como "O Leão da Estrela" e "Cantiga da Rua". Mais recentemente, participou em séries e telenovelas como "Inspector Max" e "Ganância", bem conhecidas do grande público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...