Moniz critica plano de reestruturação da RTP

O antigo director de Programas e de Informação da RTP, José Eduardo Moniz, considerou hoje "imobilista" a visão do serviço público reflectida no plano de sustentabilidade económica e financeira da empresa apresentado na quarta-feira.

"Pelo que li, fica tudo a meio caminho, para agradar a gregos e a troianos (...) Perdeu-se uma oportunidade para resolver uma questão que se arrasta há décadas", disse Eduardo Moniz à Lusa em Pequim.

Realçando que falava "em nome pessoal e não da Ongoing Media", empresa de que é vice-presidente, Moniz afirmou que o referido plano "não resolve o problema do serviço público nem a crise com que os privados se debatem".

"O negócio da televisão já não é o que era (...) A evolução da televisão em todo o mundo, provocada pelas novas tecnologias e os novos posicionamentos dos consumidores, não está espelhada neste plano", disse.

"Mas goste-se ou não do plano, a verdade é que o governo cumpriu uma promessa eleitoral", acrescentou.

Eduardo Moniz, que já foi também director-geral da TVI, defende a existência de um serviço público de televisão, mas sustenta que esse serviço "pode ser assegurado por operadores privados, com menos despesa para o Estado e mais segurança para a iniciativa privada".

O plano, aprovado pelo governo e apresentado pelo presidente da RTP, Guilherme Costa, prevê a venda de um dos dois canais da estação e a rescisão de contratos com 300 dos seus trabalhadores.

Sobre a possibilidade de o único canal público continuar a ter publicidade, Eduardo Moniz comentou que o mercado "está cada vez mais pequeno" e, por isso, "não custa adivinhar que alguém vai ficar pelo caminho".

José Eduardo Moniz e o responsável da Ongoing para a Ásia, Fernando Maia Cerqueira, encontram-se na China no âmbito dos contactos que aquele grupo iniciou há dois anos com empresas e instituições chinesas do sector.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.