Francisco José Viegas volta a dirigir a revista Ler

O escritor Francisco José Viegas, que foi secretário de Estado da Cultura até outubro, assume a direção da revista Ler a partir de março, disse à Lusa fonte do Grupo Bertrand/Círculo, que chancela a publicação.

Francisco José Viegas dirigia a Ler desde 2008, cargo que acumulava com o de responsável editorial da Quetzal, até à tomada de posse como secretário de Estado da Cultura do XIX Governo Constitucional, no dia 21 de junho de 2011.

Antes de 2008, o escritor já tinha dirigido a revista, abandonado o cargo em 2006, quando assumiu a direção da Casa Fernando Pessoa, onde se manteve dois anos.

O escritor abandonou as funções de secretário de Estado "por razões de saúde", segundo o comunicado oficial, no dia 26 de outubro passado.

A obra de Francisco José Viegas inclui poesia, romance, livros de viagens, teatro, crónica e até literatura policial e infanto-juvenil, designadamente "Se Eu Fosse... Nacionalidades", editado em 2010.

A sua primeira obra foi dada à estampa em 1978, o livro de poemas, "O Verão e Depois". O primeiro romance, "Regresso por um Rio", surgiu em 1987.

O seu romance policial "Longe de Manaus" (2006) valeu-lhe o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores.

Francisco José Viegas tem publicados 12 títulos de romance e o próximo, "O colecionador de erva", será publicado em março.

O escritor, natural de Pocinho, no concelho de Vila Nova de Foz Côa, completa 51 anos, no dia 14 de março.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.