"Downloads" ilegais pode vir a custar acesso à net

Os utilizadores de Internet que façam, repetidamente, o "download" de músicas e filmes protegidos por direitos de autor podem vir a perder o acesso à web, segundo propostas legislativas do governo britânico hoje divulgadas.

As medidas visam combater a partilha ilegal de ficheiros, uma prática que tem gerado aceso debate nas indústrias culturais, com destaque para as editoras discográficas.

O ministro do Tesouro britânico, Stephen Timms, afirmou que planos anteriores - no âmbito dos quais os prevaricadores sofreriam apenas uma redução da velocidade da banda larga - não eram suficientes.

Assim, e embora aquela punição continue prevista na nova proposta de lei, ela será acompanhada da possibilidade de restrição do acesso a páginas com conteúdos para "download" ou mesmo de bloqueio total.

Activistas dos direitos humanos e provedores de acesso à Net acusam a proposta de ser desnecessariamente restritiva dos direitos dos utilizadores sem, contudo, fazer grande coisa para impedir a pirataria digital.

Se as medidas forem aprovadas pelo Parlamento em Novembro, o Reino Unido junta-se à França na tentativa de impedir o acesso dos infractores.

A proposta pode, no entanto, colidir com uma norma do Parlamento Europeu - estipulada em Maio e cuja versão final está a ser negociada com o Conselho Europeu - segundo a qual os governos da União não podem cortar o acesso de um utilizador à Net sem uma ordem expressa do tribunal.

Inicialmente, o governo francês desafiou a norma do Parlamento ao votar favoravelmente, também em Maio, leis próprias de impedimento de acesso.

Contudo, um tribunal francês estipulou que apenas um juiz pode decretar o impedimento de acesso à Internet, estando agora os legisladores do país a trabalhar num novo projecto.

Entretanto, a França criou aquela que pode ser a primeira agência governamental destinada a seguir o rasto e punir quem faz pirataria digital.

As propostas avançadas no Reino Unido determinam que são os provedores de acesso à Net quem tem de detectar os prevaricadores através do endereço de IP (Internet Protocol) e enviar-lhes avisos escritos.

Os detentores de direitos de autor passarão também a poder recorrer a uma ordem do tribunal para aceder aos detalhes desses avisos e proceder judicialmente contra qualquer suspeito de infracção.

Os legisladores ingleses acreditam que estas duas medidas - uma a cargo dos provedores e outra dos detentores de direitos - serão suficientes para reduzir em 70 por cento os "downloads" ilegais.

No entanto, se se mostrarem ineficazes, o governo vai ponderar como e quando vedar o acesso à Net.

A Indústria Fonográfica Britânica, entidade que representa as empresas de música gravada, considerou as medidas "um passo em frente no sentido de ampliar o mercado digital para os consumidores".

A Federação Internacional da Indústria Fonográfica estima que as perdas resultantes da pirataria ascenda aos milhares de milhões de dólares em todo o mundo, o que é bastante mais do que o lucro das vendas na Internet.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.