APAP cria serviço próprio de registo da propriedade intelectual

A Associação Portuguesa das Empresas de Publicidade e Comunicação (APAP) criou um serviço próprio de registo da propriedade intelectual, uma alternativa "simplificada" ao processo de registo na Inspecção-Geral das Actividades Culturais (IGAC).

"O Safe Work [serviço próprio de registo da propriedade intelectual] é a possibilidade que a APAP criou aos seus associados de depositarem aqui as suas obras criativas. É uma alternativa ao registo no IGAC", disse hoje à agência Lusa secretária-geral da APAP.

De acordo com Sofia Barros, o Safe Work é a "simplificação total do processo de registo".

"Já sucedeu por diversas vezes as agências [de publicidade] queixarem-se de que são surpreendidas por verem 'no ar' ideias apresentadas num concurso que não ganharam. Pode ser coincidência ou a solução lógica para o briefing, mas o desconforto entre as partes surge", referiu.

Após a formalização do registo, a obra é arquivada na APAP, não estando acessível a qualquer outra pessoa ou empresa, a não ser a detentora da sua propriedade intelectual.

"Apesar de o serviço do IGAC funcionar bem, muitas agências de publicidade não o utilizam devido aos inconvenientes inerentes", disse.

Safe Work é reconhecido legalmente como equivalente ao prestado pelo IGAC, embora se diferencie pelo modelo de funcionamento, "que está especialmente vocacionado para o sector da Publicidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.