ICAP exige suspensão imediata de campanha da PT

Anúncio em que a fibra da MEO é comparada a uma gasosa já originou queixa da Optimus e um pedido de suspensão. A PT pode agora pedir recurso da decisão.

O novo anúncio da MEO fibra está a gerar polémica, depois do Instituto Civil da Autodisciplina da Comunicação Comercial (ICAP) ter deliberado a suspensão imediata da campanha de publicidade da PT, onde a operadora compara a sua fibra com uma gasosa como concorrente.

"A comunicação comercial encontra-se desconforme", explicou o ICAP, pelo que a sua divulgação "deverá cessar de imediato e não deverá ter resposta, caso se mantenha o tipo de ilícito apurado pelo Júri de Ética". O organismo regular defende que a campanha não respeita alguns artigos do Código de Conduta do ICAP e do Código de Publicidade, quanto à publicidade comparativa e enganosa.

"Temos que provar que a nossa fibra é superior às outras" "A nossa é a verdadeira fibra. Vamos comparar a nossa fibra com uma gasosa" ou "a verdadeira fibra é MEO" foram algumas das frases do anúncio especificadas pelo ICAP para defender a sua deliberação.

A decisão vem no seguimento da queixa da Optimus, que considerou que a campanha "ofende os normativos ético-legais em vigor em matéria de veracidade e de livre e leal concorrência", deixando o público pensar que a MEO é a única operadora que tem serviço de fibra.

A PT já se defendeu, dizendo que "os factos não são enganosos" e que "inexiste qualquer publicidade comparativa".

Agora, a PT tem até cinco dias para apresentar recurso e provar que não fez publicidade comprativa ou enganosa na campanha, como diz o ICAP. A Comissão de Apelo vai, depois, deliberar a suspensão ou continuidade do anúncio. Esta nova decisão será irreversível.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG